CNPE aprova estudos e adota preço de referência de R$ 480/MWh para Angra 3

Valor da tarifa é o dobro da atual, de R$ 240/MWh. Decisão facilita a entrada de parceiro privado para a conclusão da usina

O Conselho Nacional de Política Energética aprovou os estudos para a retomada das obras da central nuclear Angra 3 e deverá adotar como referência nas próximas etapas  do processo o preço de R$ 480,00/MWh para a energia da usina, em valores de julho de 2018. A nova tarifa da usina é o dobro da tarifa atual, de R$ 240,00/MWh.

A decisão tomada pelo CNPE em reunião realizada nesta terça-feira, 9 de  outubro, facilita a entrada de parceiros privados para a finalização do projeto, que tem investimentos previstos da ordem de R$ 15,5 bilhões. No encontro, foi aprovado o relatório técnico do grupo interministerial criado para discutir uma solução para o empreendimentos. A construção de Angra 3 está paralisada desde 2015, quando os consórcios construtores, formados por empresas envolvidas nas denuncias de corrupção da Operação Lava Jato, abandonaram as obras.

Em nota divulgada na noite de hoje, o Ministério de Minas e Energia informou que vai propor ao Conselho do PPI a inclusão da usina no Programa de Parcerias de Investimentos. O MME vai sugerir também a criação de uma estrutura de governança para o acompanhamento da implantação do projeto, com o objetivo de garantir a operação da usina no prazo previsto, em janeiro de 2026.

A usina tem potência instalada de 1.405 MW e sua operação vai representar acréscimo de 7,2% da energia armazenável máxima do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, a custo mais baixo que o de outras termelétricas. Segundo dados da Eletrobras, 63% da obra estão concluídos.