Disputa entre minoritários da CPFL Renováveis e a State Grid pode estar perto do fim

CVM aceitou registro de OPA pelo valor recomendado de R$ 14,60 por ação; negócio deve movimentar R$ 3,55 bilhões, R$ 585 milhões a mais do que o inicialmente ofertado

A CPFL Energias Renováveis informou que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aceitou o pedido de registro da oferta pública de aquisição de ações (OPA). O edital detalhando os termos da oferta deverá ser publicado até 22 de outubro. Com essa decisão, disputa entre State Grid, sócio controlador, e minoritários da CPFL Renováveis pode estar caminhando para um fim depois de mais de um ano de embate.

Em sua última oferta, a State Grid aceitou pagar R$ 585 milhões a mais pelas ações da CPFL Renováveis. A empresa concordou com a recomendação da CVM, que indicou que o preço justo por ação seria R$ 14,60. Com isso, a chinesa terá que desembolsar aproximadamente R$ 3,55 bilhões para comparar 243.602.472 ações, o que representa pouco mais de 48% do capital social da CPFL Renováveis.

Inicialmente, a State Grid havia apresentado uma proposta de R$ 12,20 por ação (R$ 2,97 bi), posteriormente elevada para R$ 13,81 (R$ 3,36 bi). Porém, ambas as propostas foram rejeitadas pelos acionistas minoritários. A divergência entre minoritários da CPFL Renováveis e a State Grid se arrasta desde meados de 2017.

Entre os acionistas minoritários estão os bancos BTG Pactual, Bradesco e os fundos Pátria, FIB Brasil Energia, Previ, GMR Energia, FIP Arrow.