EDF e Canadian captam R$ 1,4 bi para complexo solar Pirapora

Valores foram levantados junto ao BNDES, BNB e mercado de capitais via debêntures para serem aplicados nas três usinas em operação

A EDF Renováveis e a Canadian Solar conseguiram levantar R$ 1,39 bilhão de recursos para o financiamento para as três usinas do complexo solar Pirapora, de 399 MWp de capacidade instalada. Os valores foram captados junto a diferentes fontes no país e junto ao mercado de capitais.
O projeto Pirapora I (191,5 MWp) levantou R$ 220 milhões via debêntures de infraestrutura por meio de colocação privada para investidores institucionais credenciados. As debêntures têm prazo de 16 anos e são garantidas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e pelo BID Invest, o braço do setor privado do Grupo BID.
A agência de classificação de crédito Fitch Ratings atribuiu nota às debêntures de A + (Global) e AAA (Brasil), com perspectiva estável. Esta emissão, explicou a EDF em comunicado, marca a primeira debênture de um projeto de energia solar no Brasil a ser atribuída uma classificação de grau de investimento global. Isso também marca o primeiro produto de garantia de crédito estruturado do grupo BID para a energia solar no Brasil. O BTG Pactual atuou como consultor financeiro para os patrocinadores dessa transação.
Os recursos dessa emissão serão usados ​​para pagar um empréstimo-ponte de construção fornecido pelo BID. O projeto também recebeu um financiamento de 18 anos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social no valor de R$ 529 milhões. “Essa estrutura é resultado de uma parceria inovadora entre o BNDES e o BID, que poderia estimular o financiamento de outros projetos de energia renovável no país”, continua o comunicado.
Já Pirapora II (115 MWp) fechou financiamento de longo prazo de R$ 366 milhões o Banco do Nordeste e do Fundo Constitucional do Nordeste. Pirapora III (92,5 MWp)  garantiu financiamento de projetos de longo prazo de R$ 271 milhões do BNDES e do Fundo Nacional para o Clima. Os projetos de Pirapora estão em operação desde meados de 2018. A EDF detém 80% do capital social enquanto os 20% restantes são da chinesa Canadian Solar. As três usinas são alimentadas por aproximadamente 1.235.000 módulos CS6U-P de alta eficiência fabricados pela sócia minoritária em sua fábrica no estado de São Paulo. A produção de energia está  integralmente contratada por 20 anos.