Queda no preço da energia reduz impacto do GSF para R$ 9 bi, diz CCEE

Em fevereiro, com a disparada do PLD, CCEE chegou a precificar o GSF em R$ 24 bilhões em 2019

A projeção anual do Peço de Liquidação das Diferenças (PLD) foi revisada para baixo com a melhora nas afluências nos últimos meses. O PLD médio do submercado Sudeste/Centro-Oeste, o mais importante do país em termos de indicador de preço, foi atualizado para R$ 172,68/MWh, contra uma previsão anterior de R$ 194,09/MWh.

Caso essa projeção se confirme, a conta do risco hidrológico deve ficar entorno de R$ 9 bilhões em 2019, contra a projeção de R$ 12 bilhões divulgada no início de maio. Grande parte desse custo recairá sobre os consumidores do mercado regulado (R$ 7 bilhões) e uma parte menor sobre os agentes do mercado livre (R$ 2 bilhões).

Em fevereiro, com a disparada do PLD, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) chegou a precificar o GSF em R$ 24 bilhões em 2019, calculado com base em um PLD médio anual previsto de R$ 293/MWh.

11º pior ciclo hidrológico

O Brasil teve entre novembro de 2018 e maio de 2019 o 11º pior período úmido da história (medido desde 1931). No período recente, o pior desempenho segue sendo o ciclo 2016/2017, considerado a quarto pior hidrologia da história.

A 11º posição de 2018/2019 foi alcançada em razão das chuvas na região Sul nas últimas semanas de maio. As afluências (ENAs) em maio ficaram em 97% no Sudeste/Centro-Oeste; 153% no Sul; 56% no Norte; e 93% no Norte. Os reservatórios equivalentes encerram o período úmido nos seguintes níveis máximos: SE/CO: 47,2%, Sul: 73,4%, NE: 57,9% e N: 73,6% .

As previsões de Energias Naturais Afluentes (ENAs) para junho apontam para 107% no SE/CO; 232% no Sul; 59% no Nordeste; 102% no Norte.

A expectativa para o fator de ajuste do MRE, em 2019, subiu de 84,5% para 85%, com índices em 92,4% para maio e 90,5% para junho. Quando a projeção do Mecanismo de Realocação de Energia é ligada à repactuação do risco hidrológico, ou seja, considera a sazonalização “flat” da garantia física, o fator de ajuste aponta índices de 86,1% em maio e 80,5% em junho.

Os Encargos de Serviços do Sistema (ESS) devem alcançar o valor de R$ 209 milhões em maio e R$ 11 milhões em junho.