Previsão de chuvas para o mês de junho mantêm-se estáveis, aponta ONS

Custo marginal de operação médio dispara 75% e fica em R$ 122 para a semana que se inicia no próximo sábado, 22 de junho

Os resultados da próxima semana operativa, que se inicia no sábado 22 de junho, revelam uma relativa estabilidade na previsão de vazões para o final do mês quando comparado ao esperado na semana passada. Apesar disso, o custo marginal de operação médio disparou 75%, passando de R$ 69,70/MWh para R$ 122,40/MWh. O valor está equacionado em todos o país, resultado da carga pesada e média a R$ 124,81/MWh e a leve a R$ 119,42/MWh.
O volume esperado de vazões para o país variou levemente ante o que previsto na versão anterior do Programa Mensal de Operação. Para o Sudeste/Centro Oeste está 95% da media de longo termo, no Sul está o maior valor com 164% da média histórica. No Norte a expectativa é chegar ao final do mês com ENA de 89% da média e no Nordeste o menor volume com 54%.
Já a expectativa de consumo permaneceu no mesmo patamar de crescimento de 1,5% quando comparado com junho de 2018. O maior crescimento, se confirmada a previsão, está no Norte com 5,5%, de 1,8% no SE/CO e de 0,5% no NE. No Sul está a única previsão de retração da demanda com 0,5% a menos.
Por sua vez, os reservatórios apresentaram uma previsão de encerramento do mês com um nível levemente menor do que o previsto na semana passada. No SE/CO a nova expectativa é de encerrar o período com 48% da capacidade de armazenamento utilizada. No Sul está a maior acumulação com 84,2%, no NE a previsão é de 55,3% e no Norte de 74,2%.

A programação de despacho térmico para a próxima semana aumentou 25,4%. Agora é de 6.308 MW médios, sendo 1.203 MW médios por ordem de mérito, 4.550 MW médios por inflexibilidade e mais 555 MW médios por restrição elétrica.
Em termos de meteorologia, foi reportado no início da semana que termina na sexta, 21 de junho, chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai, e pelo litoral do Sudeste. Já na próxima é esperada a ocorrência de chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai, e ainda, em pontos isolados do Iguaçu.