Voltalia conclui construção de LT que irá atender parques eólicos de 2 GW no RN

Empreendimento permitirá a companhia antecipar operação comercial de dois parques (291 MW) do cluster Serra Branca e vender produção inicial no mercado livre e a curto prazo até o início de 2021

A francesa Voltalia finalizou as obras de construção da linha de transmissão destinada a atender o cluster de 2 GW dos projetos eólicos de Serra Branca, localizado no Rio Grande do Norte. De acordo com a companhia, a iniciativa multiplica em seis vezes a capacidade de escoamento de energia do empreendimento e permitirá que os parques eólicos VSM 1 e 2 (291 MW) iniciem operações antes da data inicial prevista. A LT depende agora apenas da conexão à rede para funcionar.

“Serra Branca passa a possuir um potencial de 2,4 GW, representando um dos maiores aglomerados de parques eólicos do mundo, num dos pontos mais ventosos do planeta”, comentou Sébastien Clerc, CEO da Voltalia. A linha foi projetada para uma alta tensão de 500 kV e possui 52 km de comprimento, sendo sustentada por 112 torres.

O projeto iniciou em 2016, quando a empresa conseguiu, progressivamente, a garantia de direitos de passagem sobre 63 terrenos com 57 diferentes proprietários, através de licenças de construção, direitos de interconexão e outras autorizações. Na avaliação da multinacional, o processo foi “rápido e tranquilo”, contando com a sinergia da população local, que se beneficiou com a criação de empregos e projetos sociais implementados na região nos últimos cinco anos. Já as obras físicas começaram no início deste ano, por meio de uma parceria com a empresa Seta Engenharia para a linha e com a WEG para a subestação.

Operação de parques eólicos deve ser antecipada

O VSM 1 é um projeto eólico de 163 MW com contratos regulamentados de venda de energia de longo prazo vencidos em dezembro de 2017. Por sua vez o VSM 2 é um projeto eólico de 128 MW com contratos de longo prazo de venda de energia vencido em 2018 e com empresas de serviços públicos e a BRF, uma das maiores do mundo companhias do agronegócio. Os projetos estão atualmente em construção e consistem em 83 aerogeradores de 3,5 MW, cada um com 186 metros de altura.

Com a conclusão da nova linha e graças ao bom progresso no canteiro de obras dos parques eólicos, a Voltalia espera antecipar os testes na primeira turbina para novembro de 2019 e a última em meados de 2020. A estratégia é gerar valor adicional a partir da antecipação da operação comercial.

A empresa anunciou que venderá a produção antecipada no mercado livre a um preço mais alto do que o de contratos de venda de energia de longo prazo. Em 2019, a energia será vendida no mercado spot, e a partir de 2020, através de contratos de curto prazo já garantidos no ambiente de contratação livre até o início dos contratos de longo prazo, entre 2021 e 2041.