Ampliação de térmica no MS obtém incentivos fiscais junto ao governo

Implantação de nova turbina irá adicionar 25 MW à usina Sonora, numa iniciativa avaliada em R$ 45,7 milhões sem os encargos

A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia enquadrou o projeto de ampliação da central de geração termelétrica Sonora como produtor independente de energia elétrica e junto ao Regime Especial para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi). A decisão envolve o acréscimo de 25 MW de capacidade instalada, através da implementação de uma unidade geradora, que irá se somar a já existente, de 10 MW, conferindo um total de 35 MW de potência ao empreendimento, que funciona em ciclo Rankine, utilizando bagaço de cana-de-açúcar como combustível principal.

O Reidi prevê a isenção de PIS/PASEP e Confins na aquisição de bens e serviços para empreendimentos de infraestrutura. No caso da UTE situada no município de Sonora, no Mato Grosso do Sul, a desobrigação com os encargos representa uma economia de aproximadamente R$ 4,2 milhões à empresa Sonora Estância, que opera o ativo, ficando o investimento total em aproximadamente R$ 45,7 milhões. O prazo de execução do projeto vai de junho de 2021 até dezembro de 2022. As informações foram publicadas nessa quarta-feira, 4 de dezembro, no Diário Oficial da União, através da portaria nº 446.