Vazões recuam no país à exceção do Nordeste, aponta ONS

Previsão de carga para o mês recuou, mas ainda é de crescimento de 1,7% na comparação com dezembro do ano passado

A revisão semanal da Programação Mensal de Operação para o mês de dezembro apresentou redução no volume esperado de vazões para o período, na comparação com o esperado na semana anterior. Segundo documento publicado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico, a exceção foi registrada na região nordeste, cuja previsão de energia natural afluente passou de 49% para 61% da média de longo termo. Nos demais submercados do SIN houve revisão para volumes menores do que o estimado sete dias atrás. No maior, o Sudeste/Centro-Oeste, a estimativa passou de 94% para 85% da MLT. No Sul recuou 3 pontos porcentuais, para 57% da média histórica e no Norte passou a 64% ante 68% esperados sete dias atrás.
Ao mesmo tempo em que as vazões recuaram, a perspectiva de carga para o encerramento do último mês do ano desacelerou. O crescimento esperado agora é de 1,7%. Se essa previsão se confirmar levará a um consumo de 69.006 MW médios. Queda apenas no SE/CO de 1,2% em função da ocorrência de precipitação e temperaturas mais amenas durante alguns dias do primeiro decêndio do mês em curso, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo. No restante do país é esperada expansão, sendo de 3,4% no Sul, 7,1% no Nordeste. No Norte está o maior crescimento, de 8,8%, reflexo da retomada de carga de um consumidor livre da rede básica a partir do final do mês de maio e que estava com sua carga reduzida desde abril do ano passado.
Já o volume de armazenamento esperado ao final do ano acompanhou o desempenho projetado das vazões. Apenas no Nordeste há uma previsão de aceleração no ritmo de replecionamento, por lá a nova expectativa é que o volume ocupado fique em 41,7%. Nos demais submercados, o operador calcula desaceleração, mas ainda assim recuperação dos níveis. No SE/CO para 22,4%, no sul em 24,2% e no norte o menor índice com 14,7%.
Apesar disso o custo marginal de operação médio aumentou 5,34% para a semana operativa que se inicia neste sábado, 14 de dezembro, ante o valor da semana passada. O CMO médio está em R$ 226,76/MWh em todos os submercados, resultado do valor estabelecido em R$ 228,02/MWh nas cargas pesada e média e R$ 225,44/MWh na leve.
Como consequência houve aumento da programação de despacho térmico. O volume estabelecido pelo ONS é de 9.610 MW médios, sendo que a maior parte é por ordem de mérito, com 4.838 MW médios. Há ainda outros 4.389 MW médios por inflexibilidade e mais 383 MW médios por restrição elétrica, sendo 146 MW médios no sul e 237 MW médios no SE/CO.
Em termos de meteorologia, na semana houve precipitação nas bacias dos rios Paranapanema, Tietê, Grande, Paranaíba, São Francisco e no alto Tocantins. Já na semana que se inicia neste sábado, 14 de dezembro, deve ocorrer precipitação nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, Tietê e Grande.