UFRN vai aplicar R$ 1,9 milhão em microgeração fotovoltaica

Aporte foi obtido junto ao Ministério da Educação, por meio do Termo de Execução Descentralizada (TED). Estimativa é de economia mensal de R$ 420 mil na conta de energia da Instituição nos primeiros anos

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu um aporte de aproximadamente R$ 1,9 milhão para a implementação de sistemas de microgeração de energia solar fotovoltaica em seu Campus Central. Os recursos foram repassados por meio do Termo de Execução Descentralizada (TED) do Ministério da Educação (MEC).

Segundo a pró-reitora de Administração (Proad), Maria do Carmo de Oliveira, a verba será aplicada na contratação de uma empresa especializada para a elaboração do projeto, com a aprovação junto à concessionária de energia, a Cosern, além do fornecimento de todos os equipamentos e materiais, instalação e efetivação do acesso junto à distribuidora e os serviços de treinamento, manutenção e suporte técnico.

Os sistemas ficarão na Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM) e no Instituto Metrópole Digital (IMD), localizados no Campus Central. No entanto, o superintendente de Infraestrutura (INFRA), Luiz Pedro de Araújo, afirmou que outros setores da UFRN, na capital e no interior, estão sendo analisados para verificar se possuem estrutura adequada para futuras instalações do sistema de energia solar.

A ação conjunta entre a Proad, a Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan) e a INFRA contou com a participação de diversos departamentos acadêmicos da universidade e trará benefícios financeiros, ambientais e acadêmicos, visto que possibilitará um consumo energético mais adequado para o meio ambiente e o desenvolvimento de atividades nos campos do ensino, pesquisa e extensão.

Sobre a redução do gasto com energia, o coordenador de Gestão dos Sistemas Elétricos da INFRA, João Maria Vital de Paiva, prevê que a instalação dos painéis trará uma economia inicial de 4% na fatura de energia da instituição de ensino. Representando a segunda maior despesa no orçamento da universidade, em 2019, a conta de energia elétrica de todos os campi teve um impacto médio de R$19 milhões. Dessa forma, com a instalação do sistema de energia solar, estima-se que nos primeiros anos a economia mensal na conta de luz será em torno de R$ 420 mil.