EDP inicia operação de LTs com antecedência de 19 meses

Empreendimento relativo ao Lote 11 tem mais de 203 Km de extensão e custou R$ 182 milhões

A EDP recebeu do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) o termo de liberação para início da operação comercial de um dos dois trechos do Lote 11 oriundo do Leilão da Aneel nº 5 de 2016, e que compreende duas linhas de transmissão de energia de 230 kV, a LT Coelho Neto-Chapadinha II e a LT Miranda II-Chapadinha II, que totalizam 203 quilômetros de extensão. Além disso, o lote possui a nova subestação Chapadinha II, localizada no município de mesmo nome e as ampliações das subestações Miranda do Norte e Coelho Neto.

Após a liberação, foi realizada a energização do sistema, pela subestação de Chapadinha e as linhas entre Coelho Neto e Chapadinha, o que representa 19 meses de antecedência frente ao calendário estipulado pela Aneel. Essa antecipação, explicou a empresa, foi possível graças ao comprometimento das empresas envolvidas, ao rigoroso acompanhamento do cronograma e à competente condução do processo de licenciamento ambiental pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão (SEMA). O próximo passo, explicou a EDP, o trecho entre Miranda e Chapadinha, deve ser energizado ainda este mês.

Com investimento total de R$ 182 milhões e 1.100 empregos diretos gerados durante a construção, os empreendimentos do Lote 11 passam pelos municípios de Miranda do Norte, Matão do Norte, Cantanhede, Pirapemas, Vargem Grande, Chapadinha e Coelho Neto. Os ativos visam a melhoria do suprimento de energia elétrica nas regiões nordeste do Maranhão e noroeste do Piauí.

No Maranhão, a EDP também será responsável pela implementação de outro projeto de transmissão, que recebeu licença de instalação em julho de 2019. Arrematado no mesmo leilão da Aneel, o lote 7 é composto por 127 Km de linhas e de uma nova subestação de energia em São Luís (SE São Luís IV). Neste caso, o projeto tem como objetivo aumentar o suprimento de energia elétrica do norte do estado, em especial da região metropolitana de São Luís.

Aportes em Transmissão

Até o fim deste ano, a companhia estima investimentos totais de cerca de R$ 2 bilhões em obras e projetos de transmissão. Serão R$ 3,5 bilhões até 2022 para a construção de mais de 1,4 mil km de linhas e de seis subestações nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Maranhão e Espírito Santo.

Em outubro, a EDP Transmissão Aliança SC, empresa constituída pela EDP Brasil e pela Celesc, recebeu do Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) a Licença de Instalação (LI) para iniciar a última etapa das obras do Lote 21, entre os municípios de Abdon Batista, Campos Novos e Siderópolis e Forquilhinha. Orçado em R$ 1,2 bilhão de reais, o ativo inclui 433 quilômetros de LTs, a subestação Siderópolis II e 991 torres ao longo do traçado.

No mesmo mês, a empresa já havia recebido, por meio da sua subsidiária EDP Transmissão SP-MG, a LI para a construção do Lote 18, que inclui 375 km de linhas e duas SEs que atravessam 29 cidades entre os estados de São Paulo e Minas Gerais. Com um aporte de R$ 1,3 bilhão de reais, a implementação do lote 18 deve gerar 3.500 empregos no pico de suas obras.

Por sua vez, no fim de 2018, foi concluída também a construção do lote 24, no Espírito Santo, com 20 meses de antecipação. O empreendimento compreende 113 km de linhas entre os municípios de Linhares e São Mateus, no norte capixaba, além da subestação São Mateus II. O investimento total foi de R$ 116 milhões.