CMO sobe com aumento de carga e redução de reservatórios

Na região sudeste, que concentra 70% dos reservatórios hidrelétricos, a expectativa é de desaceleração do ritmo de recuperação que passou de 25,6% para 23,1% ao final do mês

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) elevou a previsão de carga do Sistema Interligado Nacional em janeiro para 72.602 MW médios, contra 71.966 MW médios, ainda em queda, mas agora de 0,7% ante a retração de 1,6% esperada sete dias atrás na comparação com janeiro de 2018. A elevação da carga combinada com a redução da expectativa de chuvas e o deplecionamento dos reservatórios fizeram o Custo Marginal da Operação (CMO) subir de R$ 263,04/MWh para R$ 349,15/MWh para todos os submercados, considerando a média semanal das cargas leve, média e pesada.

A previsão de Energia Natural Afluente (ENAs) em janeiro foi atualizada para 70% da Média de Longo Termo (MLT) no sudeste; 53% no sul; 38% no nordeste; e 60% no norte. Na semana passada, os números eram 81% (SE); 46% (sul); 39% (NE); 64% (norte).

A região sudeste, que concentra 70% dos reservatórios hidrelétricos, apresentou desaceleração no ritmo de recuperação, a expectativa para o fechamento do mês passou de 25,6% para 23,1%, assim como o nordeste (de 41,4% para 39,3%), o sul (de 29,3% para 27,4%) e o norte (de 25,1% para 23%).