AES Corp tem lucro de US$ 478 mi em 2019

Resultado representa retração de quase 70% quando comparado aos ganhos de 2018 que passaram de US$ 1,5 bilhão

A AES Corporation reportou um lucro líquido de US$ 478 milhões no ano de 2019, esse valor representa uma retração 69,5% ante US$ 1,5 bilhão do ano passado. A receita total da empresa somou US$ 10,2 bilhões, queda de 5% ante o apurado um ano antes.
O lucro por ação diluído no ano de 2019 por ação de operações contínuas (EPS diluído) foi de US$ 0,45, uma redução de US$ 1,03 em relação ao ano de 2018, refletindo principalmente ganhos líquidos mais baixos na venda de ativos de US$ 1,15, particularmente no Masinloc nas Filipinas, parcialmente compensado por impostos mais baixos despesas relacionadas ao impacto da Lei de Cortes de Impostos e Empregos de 2018.
O lucro por ação ajustado para o ano de 2019 (EPS ajustado, uma medida financeira não-GAAP) foi de US$ 1,36, um aumento de US$ 0,12, ou 10%, refletindo principalmente as contribuições de novos negócios, incluindo renováveis dos EUA e AES Colon no Panamá, e uma menor eficiência taxa de imposto, que foi parcialmente compensada pelo impacto da venda de ativos.
Por região geográfica, o maior volume de receitas ao longo de 2019 foi obtido nos Estados Unidos e no segmento de utilities na região com pouco mais de US$ 4 bilhões. Em seguida vem a América do Sul com US$ 3,2 bilhões.
Apesar da retração nos ganhos, a companhia estabeleceu para 2020 para o EPS ajustado em uma faixa de US$ 1,40 a US$ 1,48, em comparação com o EPS ajustado de 2019 de US$ 1,36. A AES também espera que o fluxo de caixa livre de 2020 fique entre US$ 725 e US$ 775 milhões, em comparação com o fluxo de caixa livre de 2019 de US$ 726 milhões. Reafirmou ainda sua meta média de taxa de crescimento anual de 7% a 9% até 2022.
A organização destacou que no ano passado fechou acordos que levou a encerrar 2019 com um backlog de 6,144 GW em projetos. Entre eles, 331 MW em energia solar e eólica na sua controlada no país, a AES Tietê Energia. Nos 12 meses do ano passado assinou contratos para fontes renováveis que totalizaram 2,8 GW em potência instalada sendo 1,13 GW das duas fontes associadas a armazenamento de energia nos Estados Unidos.