Golar Power e governo de PE assinam acordo para implantação de terminal de GNL em Suape

Com investimento de R$ 1,8 bilhão, projeto prevê infraestrutura para geração de energia e atender demandas industrial

Foi assinado na última sexta-feira,13 de março, um protocolo de intenções entre o Governo de Pernambuco e a Golar Power Brasil, para a implantação de um Terminal de Gás Natural Liquefeito no Complexo Industrial Portuário de Suape. O aporte privado será de R$ 1,8 bilhão, com perspectiva de geração de 300 empregos diretos e indiretos. Com início de operações previsto já para o segundo semestre de 2020, o projeto prevê uma infraestrutura de suprimento de gás natural para geração de energia elétrica, além de atender demandas das indústrias, comércio, postos de GNV/GNL e residências. Para isso, a Copergás atuará em parceria com a empresa para interiorizar o gás natural em regiões do Estado que ainda não são atendidas pelas redes de distribuição tradicionais.

De acordo com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, a chegada da Golar Power vem fortalecer a economia do estado e ajudar na distribuição de gás a custo mais baixo para a população e empresas que adotam essa matriz energética. Segundo ele, é um investimento expressivo que vai aumentar ainda mais a competitividade do estado, criando ainda mais oportunidades de trabalho. A instalação do terminal vai desenvolver a economia das cidades do interior e do Nordeste, em regiões não atendidas por gasoduto, já que o fornecimento de gás natural nesses lugares será realizado por via rodoviária através de ISO-Contêineres.

Segundo o CEO global da Golar Power, Eduardo Antonello, o incremento na oferta de GNL no Brasil vai promover o desenvolvimento econômico e social, gerando empregos e impulsionando a indústria. Para ele, o projeto de integração do GNL é único para toda a região, permitindo crescimento econômico e geração de empregos, além dos ganhos ambientais, extremamente compensatórios. Trata-se de uma energia mais limpa e barata, que pode ser utilizada tanto pelo setor industrial, quanto na substituição da frota atual do transporte de cargas.

O navio de GNL Golar Mazo, com capacidade de 135 mil metros cúbicos e 290 metros de comprimento, atracará de forma permanente no Cais de Múltiplos Usos do Porto de Suape. Esta embarcação funcionará como supridor para abastecimento de isotanques montados em caminhões. Estes veículos, por sua vez, farão a distribuição para cidades num raio de até mil quilômetros. O escoamento por caminhão chegará a um volume de 800 m3 de GNL/dia, o que equivale a, aproximadamente, 480 mil m3 de gás natural por dia. A distribuição de GNL também será feita a partir de Suape para outros estados do Brasil, por meio de cabotagem. O navio criogênico de pequeno porte do Grupo Golar será abastecido por transbordo e utilizado no transporte do GNL para outros portos da região. A embarcação possui 123 metros de comprimento e capacidade de armazenamento em cada operação de 7,5 mil m3 de GNL, equivalentes a 4,5 milhões de m3 de gás em estado natural.

Com o novo terminal, a expectativa é de aumentar a movimentação de cargas em mais de 500 mil toneladas por ano em Suape. Se considerarmos os planos futuros da Golar, de realizar suprimento a projetos termelétricos e às distribuidoras de gás natural conectadas a rede de gasodutos, este volume pode triplicar. O GNL utilizado nas operações poderá ser importado do Catar, Nigéria, Golfo do México ou Trinidade e Tobago. Em um horizonte de cinco a oito anos, poderia até mesmo ser produzido no Brasil a partir da liquefação da produção doméstica de gás natural e distribuído ao longo de toda a costa brasileira também por cabotagem.