ONS projeta queda mais acentuada da carga em abril

Estimativa do operador passou de retração de 8,1% para 8,8% na comparação entre o que era esperado para o final de abril

A primeira revisão semanal do Programa Mensal de Operação para abril acentuou a retração da carga no país ante o que era esperado para o período. Agora a queda estimada pelo Operador Nacional do Setor Elétrico é de 8,8% na comparação com o mesmo mês de 2019. Essa queda, é bom lembrar, decorre da desaceleração da economia em função da chegada da pandemia de covid-19 ao Brasil que levou à adoção de medidas de restrição de movimentação de pessoas com o fechamento de parte do comércio e mais pessoas ficando em casa.
Segundo o ONS, a estimativa para o fechamento do mês é de queda em todo o país. De 9,9% no Sudeste/Centro-Oeste, seguido de 9,6% no Nordeste, 6,7% no Sul e 4% no Norte. Com isso, a carga estimada é de 62.641 MW médios.
A energia natural afluente estimada para o mês é de 87% da média de longo termo no SE/CO. Contudo o maior índice é esperado no Norte com 110%, o NE tem projeção de 107% e no Sul, de longe, o menor nível com apenas 19% da MLT.
Segundo o ONS, o nível dos reservatórios seguem essa mesma curva de vazões. A estimativa é de redução apenas no Sul ante o volume inicial, passa de 17,5% desta sexta-feira para 15,3% no dia 30 de abril. No SE/CO a expectativa é de encerrar o período em 56,6%, no Norte é de 78,5% e no NE, o mais elevado, com 91,1%.
O custo médio de operação no país mudou levemente ante a semana anterior. Segundo o PMO, está em apenas R$ 0,08 no SE/CO e sul enquanto o valor nos dois outros mercados continuam zerados.
A geração térmica na semana operativa é estimada em 5.764 MW médios, sendo que quase a totalidade é por inflexibilidade, 5.225 mW médios. Já por ordem de mérito o despacho previsto é de 379 MW médios, enquanto outros 160 MW médios no sul são por restrição elétrica.
No início da semana que se encerra nesta sexta-feira houve chuva fraca nas bacias dos rios Tietê e Grande. No final da semana ocorreu chuva fraca e chuviscos nas bacias dos rios Uruguai, Iguaçu e em pontos isolados do Tietê e do Grande. As bacias hidrográficas da região norte apresentaram pancadas de chuva no decorrer da semana. Já para a semana a partir do dia 4 de abril deve ocorrer precipitação de intensidade fraca nas bacias dos rios Iguaçu, Paranapanema, Tietê, Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins, decorrente de uma nova frente fria avança rapidamente pelas regiões Sul, Sudeste e pelo litoral da Bahia.