Vendas de veículos elétricos devem cair 18% em 2020, diz BNEF

Relatório mostra que crescimento de setor não muda no longo prazo, mas sofre instabilidade nos próximos anos

Relatório apresentado pela Bloomberg New Energy Finance prevê que com a crise trazida pela pandemia de Covid-19, as vendas de veículos elétricas devem cair 18%  em todo o mundo, ficando em 1,7 milhão. A queda vem após dez anos sucessivos de forte crescimento. Por outro lado, a venda de veículos a combustão deve ter uma queda de 23% este ano e a eletrificação vai ser mais rápida.

O relatório mostra modelos elétricos que representarão 58% das vendas de carros novos em todo o mundo até 2040 e 31% de toda a frota de carros. Eles também representarão 67% de todos os ônibus municipais em circulação naquele ano, mais 47% dos veículos de duas rodas e 24% dos veículos comerciais leves. De acordo com a BNEF, a eletrificação do transporte em duas rodas já está eliminando quase um milhão de barris de demanda de petróleo por dia e, em 2040, removerá 17,6 milhões de barris por dia. Ainda segundo o relatório, veículos elétricos  de todos os tipos vão adicionar 5,2% à demanda global de eletricidade até 2040.

De acordo com Olin McKerracher, chefe de transporte avançado da BNE, a pandemia de Covid-19 deve causar uma grande desaceleração nas vendas globais de automóveis em 2020. Segundo ele, a trajetória de longo prazo não mudou, mas o mercado ficará instável nos próximos três anos. A análise sugere que as vendas globais de carros com motores de combustão interna atingiram o pico em 2017 e continuarão em declínio a longo prazo após recuperação temporária pós-crise. Pela primeira vez, o BNEF vê o pico de vendas de veículos novos em 2036 como mudanças demográficas globais, aumento da urbanização e mobilidade compartilhada superam os efeitos do desenvolvimento econômico. Os modelos elétricos representam 3% das vendas mundiais de carros em 2020, subindo para 7% em 2023, com cerca de 5,4 milhões de unidades.

Atualmente, existem mais de 7 milhões de veículos elétricos de passageiros em circulação, juntamente com mais de 500 mil ônibus eletrônicos, quase 400 mil vans e caminhões elétricos e 184 milhões de ciclomotores, scooters e motocicletas elétricas em todo o mundo. Hoje, a maioria dos ônibus eletrônicos e veículos elétricos de duas rodas estão na China. Para Aleksandra O’Donovan, chefe de transporte eletrificado da BNEF, a estimativa é que o mundo precisará de cerca de 290 milhões de pontos de carregamento até 2040, incluindo 12 milhões em locais públicos, envolvendo um investimento acumulado de US $ 500 bilhões.

O relatório também discute o impacto da crise do corona vírus no transporte público. Ele vê mais do que um efeito de curto prazo, à medida que os bloqueios diminuem. Em vez disso, é provável que haja uma redução duradoura no número de passageiros nos serviços municipais de ônibus e metrô e mais congestionamento de tráfego nas cidades. Os operadores de mobilidade compartilhada sofreram, mas se recuperam rapidamente com os serviços de entrega de alimentos, logística e micromobilidade.