CMSE mantém térmicas e importação para preservar reservatórios no Sul

Comitê aponta caracterização do início do período úmido no Sudeste

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico decidiu em reunião nesta quarta-feira (4) manter a geração térmica fora da ordem de mérito e a importação de energia para preservar os reservatórios da hidrelétricas da Região Sul. Em relação à Região Sudeste, o CMSE considerou que o uso de recursos adicionais “perdeu a eficácia”, uma vez os modelos de planejamento e programação da operação vão incluir a partir de novembro as regras operativas adotadas desde setembro para as hidrelétricas de Furnas e Mascarenhas de Moraes.

O aumento da geração termelétrica e a importação do Uruguai e da Argentina para recuperar os reservatórios do Sul e do Sudeste foram autorizadas pelo comitê em reunião extraordinária e teve início em 17 de outubro. Em entrevista após participar do Brasil Windpower, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Luiz Carlos Ciocchi, defendeu a manutenção da geração fora da ordem de mérito até a configuração do período chuvoso.

Em nota, o CMSE informou que as previsões meteorológicas para os próximos dias indicam o aumento das chuvas na região Sudeste/Centro-Oeste, “caracterizando o início do período úmido.” Para o sul, a expectativa é de permanência da escassez de chuvas.

Em outubro, os armazenamentos equivalentes ficaram em 23,7% nos Sudeste/Centro-Oeste, em 24,1% no Sul, em 56,3% no Nordeste e em 30,0% no Norte. A previsão para o fim de novembro é de 20,0% (SE/CO), 11,5% (S), 45,5% (NE) e 26,8% (N) da Energia Armazenada Máxima.

Representante da Petrobras, que foi convidada a participar da reunião, fez apresentação sobre as medidas adotadas pela estatal para garantir o suprimento de combustível para as termelétricas a gás. Outro tema tratado pelo comitê foi a explosão do transformador que afetou o suprimento de energia elétrica no Amapá. O Ministério de Minas e Energia anunciou a criação de um gabinete de crise para restabelecer a energia no estado.