B3 estreia no mercado livre e já flerta como futura clearing house do setor elétrico

Ferramenta que confere toda segurança necessária às informações dos contratos dos agentes, independente do canal for utilizado para o fechamento desses contratos

A B3 lançou nesta terça-feira, 1º de dezembro, um serviço voltado aos agentes do mercado livre de energia. Batizado de “Selo de Confiança B3”, a intenção é oferecer a consumidores, comercializados e geradores ferramentas de análise de risco de contraparte nas negociações de compra e venda de energia.

A discussão sobre o aumento da segurança do mercado livre se intensificou depois que comercializadoras fizeram apostas erradas no início de 2019 e deixaram um rombo de mais de R$ 200 milhões.

De acordo com Fabio Zenaro, diretor de Produtos de Balcão, Commodities e Novos Negócios da B3, o selo é visto como o pontapé inicial de um plano futuro muito maior da bolsa: criar um câmara de compensação de energia com contraparte central (clearing house) e oferecer produtos financeiros aderentes às necessidades de proteção dos agentes do mercado livre.

“Estamos enxergando essa evolução do mercado de energia pensando em um horizonte futuro”, disse Zenaro.

Os serviços oferecidos são: selo que classifica o risco de exposição de cada agente e uma plataforma (dashboards customizados) contendo informações sobre as operações realizadas pelos participantes, limites de exposição recomendados, nível de alavancagem em tempo real (status do agente), curva forward (curva futura de preços) e histórico de preços (curva de preços realizados).

Para que isso se torne uma ferramenta útil para o mercado de energia, os agentes precisam aderir voluntariamente ao serviço e ter as informações validadas pela B3. Para incentivar a adesão dos agentes, o serviço inicialmente será oferecido gratuitamente às empresas pioneiras que toparem abrir as suas informações financeiras e contratuais.

“Como forma de incentivar, vamos isentar as taxas inicialmente, que deverão ser cobradas como se fossem uma assinatura mensal lá na frente”, explicou Zenaro.

A B3 disponibilizou em 26 de novembro um oficio circular (clique) com informações detalhadas de quais dados são necessários para construir a classificação de cada agente. Essa classificação será em três níveis. O agente que receber o Nivel 1 significa que ele atingiu a pontuação mínima para receber esse selo. O Nível 3 foi definido como classificação máxima e confere maior credibilidade ao agente.

No site da B3 é possível verificar quais são os documentos e a pertinência (temporalidade) que conferem melhor pontuação ao agente. Quanto mais detalhadas for as informações contratuais entregues a bolsa, maior é a pontuação do agente. A metodologia também premia com maior pontuação os agentes que enviarem as demonstrações financeiras semestralmente (+10 pontos) e de contratos firmados em tempo real (+ 20 ). Empresas com auditoria independe também serão melhor ranqueadas (+ 15).

Em caso de divergência entre a totalidade dos contratos enviados à B3 e registrados na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o agente será penalizado com a perda de 15 pontos.

Já a curva de preços históricos será inicialmente construída por meio de preços de energia convencional (hídrica e térmica) do submercado Sudeste/Centro-Oeste, por ser o mais representativo e ter mais liquidez. Algumas variáveis serão isoladas para poder criar um produto padronizados. Considerando a característica de tailor-made dos contratos de energia, tudo que for customizado poderá utilizar a curva padrão para definir um spread.

Credibilidade e Isenção

Em janeiro, a B3 começará a disponibilizar as informações. O público geral poderá ver o nível de classificação de cada empresa, porém as demais informações serão de posse exclusiva dos agentes participantes.

“Partimos do pressuposto que temos um bom modelo de risco”, afirmou Zenaro, em coletiva de imprensa virtual. Ele também destaca a isenção e a credibilidade da bolsa contribuem para a ampliação do mercado livre; que está em franca expansão desde 2015 e deve fechar 2020 com 1800 novos agentes, segundo a CCEE.

Segundo Ana Beatriz Vieira de Mattos, superintendente de Novos Negócios da B3, a plataforma B3 Energia é uma ferramenta que confere toda segurança necessária às informações dos contratos dos agentes, independente do canal for utilizado para o fechamento desses contratos.

Mattos disse que a serviço foi criado com a contribuições dezenas de agentes. A partir da próxima, os agentes podem iniciar o cadastramento e o envio de informações a B3. Para tirar dúvidas, foi disponibilizado o e-mail energia@b3.com.br.