Fornecimento de energia do DF estará melhor com a iniciativa privada, diz governador

O valor obtido representa cerca de 2x o múltiplo médio do setor elétrico, é o maior M&A do Brasil em termos de múltiplos, disse o BNDES

O serviço de energia elétrica do Distrito Federal estará melhor nas mão da iniciativa privada, afirmou o Governador da capital Federal, Ibanes Rocha (MDB), ao comemorar o resultado do leilão de privatização da CEB Distribuição, que agora será gerida pela Neoenergia. O lance vencedor de R$ 2,51 bilhões representou um ágio de 76,63% em relação ao valor mínimo de R$ 1,4 bilhão.

“Isso foi um marco histórico para o Distrito Federal, colocando a cidade, que passou muitos anos por uma lógica social petista e que não permitiu o desenvolvimento”, declarou o governador em cerimônia nesta sexta-feira, 4 de dezembro, em São Paulo, na B3.

A secretária-executiva do Ministério de Minas e Energia (MME), Marisete Pereira, disse que a privatização foi um trabalho importante feito pelo governo do DF. Ela cumprimentou os vencedores e disse que a Neoenergia “vai trazer um serviço que o DF precisa de fato que seja entregue”.

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, disse que é através da iniciativa privada que “vamos construir um Brasil mais próspero” e que a desestatização da CEB, em termos de múltiplos, foi o maior da histórica do país.

“É um marco histórico para o Brasil e para o BNDES”, comemorou. “O valor obtido aqui representa cerca de 2x o múltiplo médio do setor elétrico, é o maior M&A do Brasil em termos de múltiplos”, explicou.

Montezano lembrou que a privatização vai tirar uma despesa dos cofres públicos e aportar R$ 2,5 bilhões no caixa do governo estadual. Ainda estão previstos mais de R$ 5 bilhões de investimento nos próximos anos.

“A gente marca mais uma etapa do processo de privatização que o Brasil vive hoje, mais uma amostra contundente que a desestatização é o caminho”, disse.