Itaipu investirá R$ 1 bi para revitalizar transmissão de Furnas

Obras referem-se aos sistemas de corrente contínua que entraram em operação em 1984 e que estão no final da vida útil

O sistema de transmissão de Furnas em Foz do Iguaçu (PR) receberá um aporte de cerca de R$ 1 bilhão de Itaipu. Os recursos foram anunciados na segunda-feira, 15 de fevereiro, em uma operação de revitalização desses ativos que durará cinco anos. As obras acontecerão no sistema de corrente contínua de alta tensão responsável pela transmissão ao mercado brasileiro da energia que o Paraguai não consome.

De acordo com a Itaipu Binacional, a empresa responsável pela UHE, a ação reforçará a segurança energética do sistema elétrico brasileiro, pois o sistema opera há 36 anos e está no fim de sua vida útil.

O convênio para essa atualização já foi assinado e o primeiro repasse a Furnas, de R$ 161 milhões, foi feito no último dia 30 de dezembro. Os próximos passos são a elaboração dos projetos e da licitação. O acordo tem duração de 60 meses e contempla a modernização de equipamentos na estação conversora em Foz do Iguaçu (PR), que converte corrente alternada que vem da Itaipu em 50 Hz (500 kV) para corrente contínua (em 600 kV); duas linhas transmissão com cerca de 800 km de extensão; e uma estação inversora, em lbiúna (SP), que converte corrente contínua em corrente alternada de 60Hz.

Esse sistema entrou em operação em 1984, juntamente com o funcionamento da primeira unidade geradora da Itaipu. A capacidade de transmissão é de 6.300 MW. Como o sistema elétrico paraguaio opera em uma frequência diferente do brasileiro (50 Hz), a energia adquirida pelo Brasil não pode ser integrada diretamente. Antes, precisa ser convertida para corrente contínua e transmitida até Ibiúna (SP), onde é convertida novamente para corrente alternada, mas agora em 60 Hz.

Segundo o diretor-geral brasileiro da Itaipu, o general Joaquim Silva e Luna, isso faz do sistema de corrente contínua de alta tensão (HVDC da sigla em inglês) da subestação de Furnas um ativo crítico para que a Itaipu possa atender à demanda do Brasil e, também, estratégico para que o Paraguai possa entregar sua energia excedente. A revitalização também é importante para facilitar futuras parcerias de integração energética do Brasil com países sul-americanos. Por isso tudo, é do interesse da Itaipu e de ambos os países que o sistema HVDC de Furnas siga cumprindo o seu papel.

O presidente de Furnas, Pedro Brito, considera o projeto essencial para a empresa continuar operando e mantendo o pioneiro sistema de transmissão HVDC de Itaipu com segurança e eficiência. A expectativa também é reduzir a necessidade de investimentos após a conclusão do empreendimento.