BBCE e Abraceel lançam publicação educacional sobre derivativos

Primeiro mês de negociação dos contrato de derivativos movimentou 53.664 GWh em 37 contratos até o fechamento da última sexta-feira, 19 de fevereiro

Um mês após iniciar as operações dos contratos de derivativos o Balcão Brasileiro de Energia Elétrica fechou parceria com a Abraceel e juntas, as entidades lançam nesta terça-feira, 23 de fevereiro, uma cartilha sobre o tema. Essa iniciativa, explicam, veio na esteira da expansão desse mercado nascente e, por isso, há a necessidade de ampliar o conhecimento dos agentes acerca dessa modalidade.

Essa publicação chega em um momento no qual o BBCE termina o primeiro mês de negociações dos contratos de derivativos. De acordo com a entidade, são cerca de 40 credenciados para negociarem o ativo ante um primeiro pregão com 9 habilitados. No acumulado do período foram negociados 53.664 GWh em 37 contratos até o fechamento da última sexta-feira, 19 de fevereiro.

De acordo com o CEO do BBCE, Carlos Ratto, essa expansão no primeiro mês era esperada e mostra o interesse do mercado por essa modalidade de mecanismo. Inclusive, é esperado para em breve a entrada do primeiro agente do setor financeiro.

“Está dentro do que esperávamos, iniciamos com os 9 primeiros do pregão e depois esse número cresceu. Está em 41 clientes na plataforma e expectativa de cada vez mais, inicialmente esses são agentes do mercado de energia como as principais comercializadoras e quem opera no mercado”, comentou. “Obviamente quem tem mais interesse são as comercializadora, mas temos boas conversas e estamos avançando para termos bancos, não posso dizer o nome, mas em breve teremos um credenciado com esse perfil”, revelou.

O presidente executivo da Abraceel, Reginaldo Medeiros, explicou que a comercializadora tem a cultura de um mercado mais tradicional. Em muitos casos não há o conhecimento dessas opções de financiamento sem passar pelo contrato físico de energia. “É importante que conheçam as características dessa alternativa de financiamento, pois 70% da expansão da capacidade de geração tem se dado pelo mercado livre e essa informação surpreende até mesmo os CEOs do setor que ainda atribuem a construção de novas usinas aos leilões regulados, como era alguns anos atrás”, explicou.

Para Medeiros, a cartilha com as informações e características desse novo mecanismo é importante para explicar o setor financeiro ao elétrico. Em sua análise, a educação leva à transparência e credibilidade a todo mercado. É importante para evitar a desinformação, ainda mais em um segmento que está começando agora.

Ratto exemplificou, por exemplo, que o contrato de derivativos é liquidado semanalmente e deriva de um ativo que é o PLD. Mas quem não precisa da energia física encontra custos mais baixos na operação, a própria liquidação é de menor montante, não precisa de nota fiscal, tributação ais simples, entre outras características.

E assim como a cartilha do setor financeiro para o elétrico, as instituições já planejam novas ações, entre elas a de desenvolver um material semelhante mas destinado ao mercado financeiro entender o de energia.

A publicação estará disponível para download tanto no site da Abraceel quanto do BBCE para quem quiser consultar.