Previsão de carga desacelera para 2,2% em março, aponta ONS

Custo marginal de operação médio recua em todo o país e fica zerado na região Norte

A primeira revisão semanal do Programa Mensal de Operação para março apresentou uma redução cerca de 40% na previsão de custo marginal de operação médio nos dois principais submercados. Mas o destaque ficou com o Norte onde esse valor está zerado. As vazões previstas não variaram significativamente, o indicador que sofreu redução foi a projeção de carga, que desacelerou de 4,1% para 2,2% de crescimento.

De acordo com os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico, o CMO médio esperado para o Sudeste/ Centro-Oeste e no Sul é de R$ 81,27/MWh com a carga pesada e média a R$ 83,48 e a leve a R$ 78,96/MWh. No Nordeste o valor é menor, R$ 76,01/MWh em média.

A previsão de vazões para o SE/CO variou levemente, para 81% da média de longo termo. No Sul a energia natural afluente passou de 60% da média para 83%. No Nordeste está o índice mais baixo, com 76% e no Norte o mais elevado, com 108% da média histórica de 91 anos.

O nível de armazenamento projetado para o final de março está em 37,9% no SE/CO, 70,7% no Sul, 71,3% no NE e 80,4% no Norte. A situação está melhorando no Norte que até o vertedouro da UHE Tucuruí foi aberto.

A previsão de despacho térmico é de cerca de 4.711 MW médios, 571 MW médios por restrição elétrica e o restante por inflexibilidade. No início da semana, o CMSE manteve o despacho fora da ordem de mérito para o país por conta da situação atual dos reservatórios, mas reduziu o limite de 16.500 MW médios para 15.000 MW médios.