PLD Horário cai em todos os submercados no primeiro trimestre

Queda mais significativa foi na região Sul, com preço médio de R$ 171,68/ MWh

Análise feita pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, com base nos três primeiros meses de operação do Preço de Liquidação de Diferenças Horário, mostra uma variação de preços conforme a tendência verificada nos dois anos de operação sombra. Neste primeiro trimestre, o valor médio caiu nos quatro submercados na comparação com o mesmo período de 2020.

A redução mais significativa foi no Sul, com preço médio de R$ 171,68/MWh, recuo de 21% ante os R$ 217,57/MWh do mesmo período de 2020. O Nordeste registrou valor médio de R$ 159,91/MWh, queda de 11,8% em relação aos R$ 181,31/MWh do mesmo período de 2020. O Sudeste/Centro-Oeste encerrou o trimestre com média de R$ 172,57/MWh, 8,2% menor que os R$ 187,89/MWh do ano passado. Já no Norte, o valor médio caiu de R$ 165,39/MWh para R$ 152,82 MWh neste trimestre, queda de 7,6%. A redução no 1° trimestre de 2021 foi influenciada principalmente por uma situação um pouco mais favorável dos reservatórios do Sul, que no ano passado sofreram com forte estiagem causando aumento do preço, e pelo elevado volume de energia eólica gerada na região Nordeste.

O balanço da CCEE também destaca o preço médio em março, período com os menores valores do trimestre nos quatro submercados Norte, com R$ 55,57/MWh; Nordeste, com R$ 78,02/MWh; Sudeste/Centro-Oeste, com R$ 109,02/MWh e Sul, com R$ 110,28/MWh. A redução é resultado do excedente hidráulico da região Norte no período, característica já esperada devido a sazonalidade das afluências. Esse fato fez com que, em boa parte dos períodos, o preço da região estivesse no PLD Mínimo regulatório, no valor de R$ 49,77/MWh. A redução no preço, com destaque para o Norte, é comum quando se aproxima do fim do período úmido, quando os reservatórios estão relativamente mais cheios e há maior oferta de energia hidráulica.

De acordo com Talita Porto, vice-presidente do Conselho de Administração da CCEE, embora o resultado dessas movimentações ainda seja um PLD menor, há um cenário hídrico bastante desafiador. Segundo ela, os reservatórios no Sudeste não se recuperaram durante o período úmido e estão abaixo do esperado. Na região Sul, Talita Porto aponta para uma recuperação dos níveis de armazenamento em fevereiro. Para a diretora da CCEE, é preciso acompanhar a evolução dos indicadores nos próximos meses para mais clareza do cenário.

A Câmara de Comercialização é a responsável pelo cálculo do preço e nos três primeiros meses também cumpriu a meta regulatória de publicar o PLD para cada hora de cada dia até as 20h do dia anterior, facilitando o dia a dia de quem opera no Mercado de Curto Prazo. A implementação do preço horário foi um marco do setor elétrico brasileiro e mudou a referência para contratos de compra e venda de energia no mercado de curto prazo.