Eólica Campo Largo 2 já opera com força total

Complexo da Engie de 361,2 MW na Bahia teve investimento de R$ 1,6 bilhão

A Engie obteve a autorização de operação comercial pela Agência Nacional de Energia Elétrica das três últimas das 11 centrais eólicas do Conjunto Eólico Campo Largo 2, nos municípios de Umburanas e Sento Sé (BA). Com investimento de R$ 1,6 bilhão, o empreendimento elevou em 361,2 MW o portfólio da companhia. Com isso, a empresa chega a 1.262,6 MW de capacidade instalada em energia eólica no Brasil, dos quais mais de 1 GW apenas na Bahia, considerando, além de Campo Largo 2, os Conjuntos Eólicos Campo Largo 1 e Umburanas que entraram em operação em 2018 e 2019.

A empresa apontou em comunicado que entre as sinergias existentes estão a utilização da mesma subestação, linha de transmissão, infraestrutura de canteiro e acessos internos, possibilitaram a aceleração da entrega do empreendimento.

As obras de Campo Largo 2 foram iniciadas em julho de 2019 e os primeiros aerogeradores começaram a ser montados em julho de 2020, atividade realizada paralelamente à ampliação da subestação e implantação das redes de média tensão. A entrada em operação comercial do primeiro parque aconteceu em fevereiro de 2021 e, em agosto, foram finalizadas as montagens dos 86 aerogeradores e o comissionamento de todas as máquinas.

A Engie aponta que  logística para o transporte de equipamentos de grande porte e a pandemia de Covid-19 foram alguns dos maiores desafios da obra, que gerou aproximadamente 2.200 postos de trabalho, chegando a contar com 1.500 trabalhadores no pico de produção, em mais de 40 frentes de trabalho paralelas. Foram cerca de 4.600 toneladas de aço e 47 mil m³ de concreto utilizados, além da implantação de 75 quilômetros de acessos internos e 101 km de redes de média tensão, com mais de mil postes.

Dentre as iniciativas realizadas ao longo da implantação e operação dos conjuntos eólicos a empresa destacou  ações de capacitação e geração de renda, como a implantação de um ateliê de costura e de uma horta comunitária, a construção de uma sede comunitária, praça e quadra esportiva, reforma de escola e criação de um Centro de Empoderamento Digital, gerando oportunidades de aprendizado e empreendedorismo para a comunidade local.