Light começa obras em túnel que interliga reservatórios no Sul Fluminense

Com investimentos de R$ 400 milhões, interligação vai permitir paradas prolongadas para manutenção na geração sem afetar abastecimento de água

A  Light (RJ) inicia nesta sexta-feira, 19 de novembro, as obras de construção do túnel de interligação dos reservatórios de Vigário e Ponte Coberta, no município de Piraí, na região Sul Fluminense. Serão investidos cerca de R$ 400 milhões no projeto, que irá gerar aproximadamente mil empregos diretos e indiretos. O túnel permitirá realizar paradas mais prolongadas para a manutenção do sistema de geração de energia sem comprometer o sistema de abastecimento de água da Cedae, contribuindo com a segurança hídrica do Sistema Guandu. A obra foi autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica e a Light obteve do Instituto Estadual do Ambiente a licença ambiental necessária para iniciar a construção. A previsão é que o túnel esteja pronto para operar em 2023.

As águas do Rio Paraíba do Sul, que passam pelas usinas da Light no Complexo de Lajes por meio de uma transposição realizada nos anos 1950, são utilizadas para gerar energia. Ao longo das décadas, a Light vem assegurando a geração de energia por meio de suas usinas hidrelétricas instaladas na Serra das Araras com continuidade e segurança para todo o Sistema Interligado Nacional. Estruturas desse porte requerem manutenção constante e, muitas vezes, precisam ser paralisadas para verificação integral das condições de operação dos equipamentos e sistemas.

O presidente da Light, Raimundo Nonato, explica que o túnel será uma importante ferramenta para que a Light continue a prestar o serviço de geração de energia elétrica de forma contínua e segura. Segundo ele, a Light foi proativa na busca desta solução tanto do ponto de vista técnico quanto financeiro. Com o túnel, será possível realizar as paradas necessárias à manutenção do sistema de geração de energia, sem comprometer a entrega de água para o Sistema Guandu.

O novo sistema funcionará em paralelo ao atual circuito hidráulico, sendo também uma alternativa de abastecimento para a Estação de Tratamento de Águas do Guandu, onde a Cedae capta e trata a maior parte da água consumida na Região Metropolitana do Rio. O novo sistema terá capacidade de até 120 m³/s, equivalente à vazão obrigatória para atendimento ao sistema Guandu. O túnel terá comprimento de 3,8 km, diâmetro máximo de 5,8m e um desnível de 310m entre a tomada d’água no reservatório de Vigário e a restituição no reservatório de Ponte Coberta.