Energisa inaugura novo reforço para transmissão no Pará

Elevação e rebaixamento de tensão no circuito Integradora Sossego – Serra Pelada também vai melhorar capacidade de fornecimento para o Norte do Mato Grosso e Oeste do Tocantins

A Energisa iniciou as operações das Funções de Transmissão 2 e 3 referentes à elevação de tensão para 500 kV na subestação Integradora Sossego e consequentemente na linha Integradora Sossego – Serra Pelada, com o novo pátio de 138 kV instalado na SE Serra Pelada para rebaixamento de tensão e conexão do usuário.

Segundo comunicado ao mercado, a energização do reforço aconteceu na última terça-feira, 21 de dezembro, por meio da subsidiária Energisa Pará Transmissora de Energia II (EPA II). A segunda e última fase do projeto foi concluída em 15 meses e permitirá o registro do restante de 91,39% da Receita Anual Permitida de R$ 39 milhões.

A primeira fase, referente à linha de transmissão 230kV Xinguara II – Integradora Sossego foi energizada em 16 de fevereiro de 2021, com antecipação de 25 meses frente ao prazo exigido pela Aneel e permitiu o registo de 8,61% da RAP.

Os investimentos foram da ordem de R$ 424 milhões, representando uma economia de 25% perante a estimativa inicial da Aneel e contou com financiamentos de longo prazo concedidos pelo BASA no montante de R$ 250 milhões, dos quais R$ 186,7 milhões já liberados e debêntures de infraestrutura no montante de R$ 73 milhões.

Além disso, a Aneel publicou o REA nº 10.008 em 25 de maio de 2021, autorizando a implantação de reforços na EPA II referente à instalação do 1º reator de Barra de 500kV na SE Integradora Sossego. O referido reforço adicionará R$ 4,3 milhões de RAP, totalizando 43,3 milhões de RAP nesta concessão no ciclo 2021- 2022.

Essa nova entrada em operação e os reforços autorizados permitirão o atendimento elétrico à região sudeste do Pará, com sinergia operacional em relação a transmissora, além de reforçar a capacidade de fornecimento para o Norte de Mato Grosso e Oeste de Tocantins, onde a Energisa atua através das distribuidoras.

Essa linha será operada pela Energisa Soluções (ESOL), unidade do Grupo focada em soluções integradas e serviços, e a operação se dará a partir do Centro de Operações de Transmissão (COT) e Departamento de Operação e Manutenção de Linhas de Transmissão, ambos na sede de Cataguases-MG.