ONS reduz previsão de queda da carga em janeiro para 0,7%

Previsão de afluências continua acima da média histórica em quase todo o país, exceção é a região Sul que tem leve melhora

A última revisão semanal do Programa Mensal de Operação de janeiro mantém as previsões de afluências acima da média histórica em quase todo o país. A exceção é a região Sul que apesar da melhora na projeção ainda continua bem abaixo da média de longo termo para o período. A vazão esperada passou 27% para 38% da MLT. Nos demais submercados a energia natural afluente está em nível superior aos 100% sendo que Sudeste/Centro-Oeste é de 104%, no Nordeste é de 148% e no Norte de 214% da média de 91 anos.

Outro destaque vai para a carga. A revisão desta semana aponta ainda para uma queda, mas quase 1 ponto porcentual a menos do que se projetava sete dias atrás. A nova estimativa é de ficar em 0,7% a menos do que no mesmo mês de 2021.

Mesmo com as condições econômicas mais desaceleradas, explicou o ONS, “as altas temperaturas observadas na terceira semana operativa, associadas ao maior número de indivíduos em suas residências devido ao período de férias e ao home office, levaram a uma elevação significativa da carga voltada para refrigeração”. Para a próxima semana operativa há previsão da manutenção das condições atuais de temperatura em todas as regiões, justificando o ajuste realizado nas previsões”.

No Sul e no Norte a previsão é de aumento da carga sendo, de 7,1% e 4,3%, respectivamente. No SE/CO maior centro consumidor a expectativa para o fechamento de janeiro é de queda de 2,4% e no NE a retração é esperada em 5%.

Com esses dados a projeção é de continuidade de replecionamento dos reservatórios no SE/CO que concentra 70% da capacidade nacional. Mas agora é esperado que termine o primeiro mês de 2022 em 40,6%, ou seja, 0,8 p.p abaixo do projetado semana passada. No NE o nível é calculado em 75,1% e no Norte 90,8%. Somente no Sul a expectativa é de retração, chegando ao dia 31 com 34,5% do total.

Os valores médios do CMO nesta semana operativa continuam basicamente no mesmo patamar. Zerado no NE e Norte enquanto nos dois maiores recuaram na casa dos centavos, para R$ 61,39/MWh. Está em R$ 62,90 na carga pesada, R$ 62,59 na média e em R$ 59,92 na leve.

Se não houvesse o comando de despacho térmico fora da ordem de mérito limitado a 15 mil MW médios, conforme determinou o CMSE em sua última reunião mensal. Essa geração estaria em 4.021 MW médios sendo o maior volume por inflexibilidade ou 3.806 MW médios e outros 215 MW médios por restrição elétrica.

Em termos de meteorologia, o ONS registrou precipitação nas bacias dos rios Iguaçu e Paranapanema, com totais próximos à média semanal. Já nas bacias da região Norte, Centro-Oeste e Sudeste permaneceram apresentando precipitação, com valores inferiores à média semanal.

Para a semana operativa que se inicia neste sábado, 22 de janeiro, a previsão é de estiagem nas bacias localizadas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. As bacias da região Norte permanecem apresentando precipitação, embora inferior à média semanal.