Previsão de carga no Sudeste aumenta para 7,8% em abril, diz ONS

Reservatórios deverão chegar a pelos menos 50% da capacidade no Sul do país onde o volume de vazões deve ser de 140% da média histórica

A primeira revisão do PMO de abril apresentou uma alta de 0,8 ponto porcentual na estimativa da semana passada. A previsão agora é de que seja registrado crescimento de 4,5% no Sistema Interligado Nacional, destaque para o maior submercado do país, o Sudeste/ Centro-Oeste que pode ver a demanda disparar 7,8% na comparação com abril do ano passado. No sul a estimativa é de alta de 1,8%, no Nordeste é de 0,7% e no Norte a única queda, de 4,8%.

Esse aumento na carga no SE/CO é explicado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico como resultado das altas temperaturas registradas na região nesta semana.

Já a previsão de afluências para o final do mês segue a mesma tendência da versão original do PMO com o SE/CO verificando uma energia natural afluente de 73% da média de longo termo. Os maiores volumes estarão no Sul com 140% (esse com uma importante elevação nas chuvas, mas já estava previsto que ficaria acima da média) e no Norte com 106%. No Nordeste a previsão melhorou levemente, passando a 49% da média.

A nova estimativa de armazenamento em reservatórios para o final deste período aponta que o pior nível está no Sul, com 50%, no Norte o mais elevado com 99,6%. No NE a estimativa é de chegar com 96,4% e no SE/CO com 68,5%.

O Custo Marginal de Operação médio continua zerado no Norte e NE enquanto nos dois outros submercados houve uma leve redução para R$ 40,15 por MWh, reflexo da carga pesada e média no mesmo patamar, R$ 41,55 e R$ 41,54, respectivamente e a leve a R$ 38,62/MWh.

Na quarta-feira que vem, 6 de abril, ocorre a reunião do CMSE que poderá deliberar pelo fim do despacho fora da ordem de mérito que vem vigorando desde o ano passado, por conta da crise hídrica. Se não fosse esse comando, a previsão é de que a geração térmica seria de 3.597 MW médios, todo esse volume por inflexibilidade.

Em termos de meteorologia, houve chuva de intensidade fraca a moderada nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, no trecho incremental a UHE Itaipu, Paranapanema, Tietê, Paraíba do Sul, Grande e Paranaíba. As bacias hidrográficas da região Norte também apresentaram chuva no decorrer da semana operativa, principalmente nas bacias do rio Madeira, Tocantins e Xingu. E para os próximos sete dias deve ocorrer chuva nas bacias dos rios Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, no trecho incremental a UHE Itaipu e em pontos isolados do Grande e do Paranaíba. No Norte permanecem condições de pancadas de chuva.