Aprovação do PL 414 não indica que todo cliente vai querer ser livre, aponta 2W Energia

Claudio Ribeiro, CEO da companhia, destacou que o PL é um sinal de que devemos olhar para o consumidor

Considerada a caçula entre as empresas presentes no painel 5: Fórum dos CEOs: A visão dos executivos para o período 2023-2026, no 19º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico – ENASE 2022, que acontece nesta quinta-feira, 09 de junho, a 2W Energia que está no mercado há 15 anos disse que investe em geração, coisa que os outros colegas já fazem à décadas. O CEO da companhia, Claudio Ribeiro, informou que já possui 400 MW contratados e em execução e com planejamento de 1 GW para os próximos 2 anos.

Na visão de Ribeiro é importante abordar um aspecto que vem surgindo cada vez mais, “Quando o mercado fica difícil, queremos ser estatal, quando seguimos em frente, queremos ser privados, e precisamos sair disso”, destacou.

“Hoje o Brasil é considerado uma das 10 maiores economias do mundo e no entanto, possui cerca de 35 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar e tratamos isso com naturalidade. A maneira de resgatar essas pessoas não é tabelando as tarifas das distribuidoras. O que vai resgatar essas pessoas dessa situação e permitir um crescimento sustentável, é o investimento a longo prazo. O PL 414 é um sinal de que devemos olhar para o consumidor e o que ele quer, o que ele precisa”, falou Ribeiro.

Para Ribeiro, o fato do PL 414 ser aprovado não quer dizer que todo o cliente da distribuidora vai querer ser livre. Ele pode querer continuar com o mercado regulado, tudo vai depender das empresas oferecerem produtos sem risco a esse consumidor e incentivando a fazer algum tipo de movimento. “O que faz os progressos em grandes saltos é inovação e a inovação só existe se tem competição, porque se não tiver competição, não tem porque correr o risco da inovação” ressaltou.