Institutos Neoenergia e Ekloos abrem inscrições para programa de iniciativas ambientais

Interessados devem se inscrever até 7 de julho no site www.ekloos.org/impactoverde

O Instituto Neoenergia em parceria com o Instituto Ekloos abriu inscrições para a primeira edição do edital Impactô Verde, dirigido exclusivamente para organizações sociais (ONGs) e negócios sociais que trabalhem em prol do meio ambiente. Os interessados devem se inscrever até 7 de julho no site www.ekloos.org/impactoverde.

Serão selecionadas até 13 organizações sem fins lucrativos e negócios de impacto que atuem em diversas cidades dos estados da Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco, São Paulo, Pará e Mato Grosso. As iniciativas devem promover ações de preservação e restauração de ecossistemas de montanha e redução das mudanças climáticas, com foco nas áreas de biodiversidade, turismo sustentável, agricultura sustentável e tecnologias ambientais.

“Preservar o patrimônio natural brasileiro é um dos objetivos do Instituto Neoenergia. Pensando nisso, lançamos agora o Impactô Verde, que irá impulsionar iniciativas de preservação e restauração de ecossistemas, e aquelas que estão focadas em soluções para as mudanças climáticas. Com a aceleração social destas organizações, pretendemos amplificar o impacto positivo para o meio ambiente”, disse a diretora-presidente do Instituto Neoenergia, Renata Chagas.

As iniciativas escolhidas serão contempladas com mentorias online nas áreas de gestão estratégica, negócios e inovação, durante o período de nove meses. Até 65 gestores poderão participar dos treinamentos, sendo cinco de cada uma das iniciativas. Ao final do programa, as organizações serão avaliadas por uma banca de investimento, que distribuirá até R$ 100 mil em incentivos adicionais.

“O Impactô Verde vai ajudar as organizações da sociedade civil e negócios de impacto a potencializarem as suas atividades em prol de questões ambientais. Junto com a equipe de mentores do Instituto Ekloos, as organizações poderão criar e reestruturar atividades que possam contribuir para a superação dos desafios ambientais globais sinalizados pela Agenda 2030 da ONU”, ressaltou presidente do Instituto Ekloos, Andrea Gomides.