Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

O preço médio da energia solar no Brasil alcançou um marco significativo, registrando o valor de R$ 4,02 Wp, queda de 5% em relação ao quarto trimestre de 2022 e de 15% no acumulado de 2023 em comparação ao ano anterior. Essa diminuição é a mais significativa já registrada desde o início do indicador do relatório Radar, elaborado pela climatech Solfácil.

Um dos destaques da pesquisa é a queda mais expressiva nos preços dos projetos de menor porte, especialmente aqueles com potência abaixo de 6 kWp. Essa faixa de projetos apresenta preços médios acima da média nacional, com uma diferença de R$ 0,34 o Wp. No entanto, a tendência de queda está se estendendo para todos os estados do Brasil, com apenas três não apresentando a redução de preço: Amazonas, Roraima e Maranhão.

O estudo revelou que a região Sudeste foi a que apresentou a maior queda nos preços, com o valor de R$ 4,01 por Wp, impulsionada por São Paulo e Espírito Santo, que registraram recuos de 8% nos preços médios nos últimos três meses de 2022. Já o Centro-Oeste se destacou como a mais barata do país, com o valor de R$ 3,89 por Wp, com todos os estados oferecendo preços iguais ou inferiores à média nacional.

Já a região Sul registrou a segunda energia solar mais barata do país com R$ 3,95 o Wp. Em contrapartida, a região Norte registra os maiores preços de energia solar fotovoltaica, com R$ 4,07 por Wp, seguida da região Nordeste com R$ 4,12 o Wp, onde os valores são mais altos do que a média nacional.

O levantamento também analisou a escolha de marcas de inversores em diferentes regiões do Brasil. A Growatt continua sendo a principal por aqui, porém empresas como Deye, Solis e Solplanet ganharam influência nos projetos de maior porte, principalmente no Sul. A pesquisa foi realizada com base na análise dos pedidos de financiamentos de projetos residenciais no último trimestre de 2022 e contou com a consideração de fatores como payback, desempenho e inflação elétrica.