Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A Qair Brasil inaugura nesta sexta-feira, 21 de julho, seu Cluster Híbrido Eólico e Solar Fotovoltaico Trairi, o Ceará. O cluster Trairi tem 429,4 MW e teve investimentos de R$ 1,29 bilhão, com financiamento do Banco do Nordeste. O empreendimento é formado pelos complexos eólicos Serra do Mato (121,8 MW), com capex de R$ 570 milhões; Serrote (205,8 MW), capex de R$ 1 bilhão e pelo complexo solar Serra do Mato (101,5 MW/ 124,5 MWp), de R$ 350 milhões de investimentos.

De acordo com o presidente da Qair, Armando Abreu, o empreendimento representa o compromisso da geradora com o desenvolvimento sustentável e a transição para uma matriz energética mais limpa e responsável. Para ele, o projeto combina a força dos ventos e a generosidade do sol, duas fontes de energia limpa, em um mesmo local. Segundo Gustavo Silva, Diretor de Operações da companhia, esse conceito híbrido exemplifica o poder da cooperação entre diferentes tecnologias, otimizando a produção de energia de forma eficiente e ambientalmente consciente.

A construção do parque híbrido foi de dezembro de 2019 a junho de 2023. A Qair, de origem francesa, tem operações em 20 países e mais de 30 anos de atuação em energias renováveis. Sua carteira de projetos conta mais de 10 GW em projetos de fontes renováveis, dentre os quais 487,2MW já se encontram em operação comercial e outros 101 MW em construção. Recentemente, a Qair Brasil assinou um memorando de entendimento com o Governo do Ceará para o desenvolvimento de planta de produção de hidrogênio verde, com capacidade de 2,2 GW e prevê outro projeto de igual porte, no estado de Pernambuco.