Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A indústria eólica offshore global apresentou seu segundo melhor ano em termos de nova capacidade em 2022, com 8,8 GW conectados à rede em todo o mundo. O dado consta do relatório Global Offshore Wind Report 2023,, disponível para download em inglês, publicado pelo Global Wind Energy Council (GWEC). Esse volume tende e aumentar ainda mais, a publicação prevê que serão construídos 380 GW em nova energia eólica offshore até 2032. Quase metade desses projetos estão na região Ásia-Pacífico.

Mais de 180 GW de capacidade foram identificados na região fora da China, sendo a Austrália sozinha responsável por mais de 50 GW. A energia eólica offshore nesta escala reduziria aproximadamente 650 toneladas de CO2 e geraria eletricidade limpa competitiva equivalente a três vezes o consumo total de energia da Austrália em 2022 ao mesmo tempo que cria novas indústrias verdes e centenas de milhares de empregos em toda a região.

De acordo com o GWEC, a dimensão do potencial na região da APAC, combinada com o número de novos países que recorrem à energia eólica offshore para as suas necessidades energéticas, marca a próxima fronteira para esta tecnologia. O desafio central que os governos enfrentam agora é a concretização deste potencial. É necessária colaboração, cooperação e investimento sem precedentes em todo o mundo para ajudar a superar os obstáculos que a indústria enfrenta.

O Global Offshore Report 2023 também aponta para os riscos de contextos políticos inadequados e abordagens demasiado tímidas: ao mesmo tempo em que aumenta a sua previsão para a APAC, o GWEC diminuiu sua previsão de curto prazo para a Europa e a América do Norte em 17% devido a atrasos causados por licenças e outras questões regulatórias, enquanto que os gargalos na cadeia de abastecimento são um risco para todas as regiões, exceto a China. Por outro lado, as previsões a longo prazo apontam perspectiva de um forte crescimento entre 2028-32.

Em comunicado, o CEO do GWEC, Ben Backwell, avalia que o setor eólico offshore apresentou mais um ano de crescimento classificado por ele como impressionante. E que esse resultado reforça os números recordes do ano passado. Em sua análise, esse relatório descreve que existe potencial para um crescimento recorde todos os anos a partir de agora. E indica que proporcionaria um sistema energético transformado, limpo e seguro, especialmente na região da Ásia-Pacífico.

Mas para que isso realmente aconteça, afirma, os governos e a indústria em todo o mundo terão de trabalhar em conjunto, enquanto que as políticas comerciais e industriais terão de se concentrar na parceria e na colaboração para gerar investimento e crescimento. Entre os desafios estão a cadeia de abastecimento, as licenças e as políticas, a fim de construir mercados preparados para o futuro. Ao resolver estes desafios, diz ele, pode-se construir uma indústria eólica offshore global forte e resiliente, que pode fornecer uma base limpa e segura para economias em todo o mundo e garantir o cumprimento das metas climáticas.

Ainda nesse comunicado a Chefe Global de Energia Eólica Offshore do GWEC, Rebecca Williams, considera que a energia eólica offshore está preparada para uma nova fronteira de crescimento com um conjunto diversificado de países em todo o mundo levando adiante planos eólicos offshore. No entanto, o setor também se encontra num momento crítico. É necessária uma abordagem nova e mais simples à política para fonte com prioridade à entrega de grandes volumes de energia dessa fonte, apoiada por políticas industriais baseadas em incentivos para proporcionar os benefícios socioeconômicos que o mundo espera da indústria.

Brasil

O Brasil recebeu um capítulo específico como mercados para se observar. O relatório citou que há cadastrados 71 projetos totalizando mais de 170 GW protocolados, segundo os dados do final de 2022. “De acordo com o ‘Roteiro Eólica Offshore Brasil’, publicado pela Empresa de Pesquisa Energética, o Brasil tem um grande potencial de aproximadamente 700 GW em locais com profundidade de até 50 metros”, apontou.

E indica que o Brasil tem uma necessidade urgente de projetar um quadro jurídico para o setor e, como um primeiro passo, precisa definir as regras pelo direito de usar o mar para que pode transformar esse vasto potencial em realidade. Cita que há projeto de lei em tramitação cuja meta é a de proporcionar transparência e legalidade aos investidores. E afirma que os instrumentos legislativos, o PL 576/21 e o decreto 10.946/2022 são necessários para agilizar a regulamentação da estrutura no país. Além disso, reforça que a indústria eólica offshore deve ser vista de forma estratégica e com a regulamentação adequada do ponto de vista ambiental. “Espera-se que a legislação sobre energia eólica offshore será publicada em novembro”, sinaliza o GWEC.