Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

A incidência de temporais com fortes ventos que atingem o Paraná e a Região Sul do Brasil aumentou nos últimos anos, causando danos extensos na rede de energia da Copel e, consequentemente, afetando os clientes da companhia. Somente nesta semana, um evento climático associado ao ciclone extratropical que atingiu do Rio Grande do Sul, com ventos de mais de 70 km/h, provocou em algum momento o desligamento de cerca de 650 mil consumidores no Paraná, o equivalente a 13% dos clientes da Copel.

De acordo com o Sistema Meteorológico do Paraná, a incidência de ciclones extratropicais no Sul algumas vezes no ano é comum. Porém a intensidade destes eventos amentou nos últimos anos. De acordo com o coordenador de operação do Simepar, Marco Antônio Rodrigues Jusevicius, o que chega ao Paraná é um sistema frontal, reflexo dos ciclones ocorridos mais ao Sul. Os principais impactos que este sistema causa são pancadas de chuva mais fortes e, principalmente, as rajadas de vento. Este último evento, no Paraná, se converteu em chuva de curto prazo com fortes rajadas de ventos.

Outubro e novembro são, normalmente, meses com alta incidência de temporais com ventos fortes no Paraná. No entanto, em 2023 o Paraná já sofreu com eventos climáticos severos em abril e agora em setembro. Em abril deste ano, um evento climático associado a outro ciclone que chegou pelo Sul do Brasil afetou mais de 700 mil domicílios no Paraná, causando estragos cuja magnitude já havia sido registrada em outubro de 2022 e em julho de 2020 – quando um ciclone-bomba com ventos de mais de 100 km/h causou interrupção no fornecimento de energia a 1,8 milhão de consumidores no Estado, o pior evento climático da história da Copel.

A manifestação do fenômeno El Niño na América do Sul, que está sendo registrada desde agosto, pode suscitar ainda mais fenômenos climáticos de grandes proporções. Para a próxima primavera e para o verão, segundo o Simepar, o El Niño poderá ser sinônimo de chuvas e temperaturas acima da média, com expectativa de temporais mais fortes.

A atuação da Copel funciona de forma coordenada. De acordo com as previsões informadas pelo Instituto de Meteorologia, os planos de enfrentamento são acionados antes mesmo da chegada do temporal, com o reforço nas escalas e acionamento de sobreavisos. Após o início do evento climático, o Centro de Operações da companhia em Curitiba detecta os desligamentos e monitora o funcionamento da automação de redes, que em muitos casos consegue recompor o fornecimento total ou parcialmente sem intervenção humana. Nos minutos seguintes, começa a despachar as ocorrências para que as equipes de campo possam realizar a inspeção das redes que permaneceram desligadas. O primeiro atendimento é feito por equipes de eletricistas de serviços.