Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

As Federações das Indústrias dos Estados de São Paulo e Ceará assinaram acordo de cooperação com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica e com a Associação Brasileira de Energia Eólica e Novas Tecnologias, com o objetivo de ampliar a produção e o uso do hidrogênio verde no País e, assim, promover o desenvolvimento e consolidação desse mercado no território nacional, em especial em São Paulo e Ceará.

A assinatura contou com as presenças dos presidentes das entidades, incluindo Josué Gomes, da Fiesp; Ricardo Cavalcante, da Fiec; Ronaldo Koloszuk, da Absolar e Élbia Gannoum, da ABEEólica, além de representantes do setor produtivo paulista e brasileiro.

A proposta das entidades com o acordo é identificar potenciais sinergias na indústria local com a produção de eletrolisadores e demais equipamentos utilizados na produção do H2V e amônia verde, bem como contribuir para a construção de metas para produção e uso do combustível nos estados paulista e cearense, regiões apontadas como grandes polos para o hidrogênio verde brasileiro. O acordo também prevê a identificação de regiões atrativas para a sua produção e hubs que otimizem custos de transporte, tanto para o mercado doméstico como para o internacional.

A cooperação envolve ainda o estímulo, contribuição e apoio a políticas públicas voltadas ao fomento da produção e uso do H2V e seus derivados e à substituição do uso atual de hidrogênio e amônia de origem fóssil para o de origem renovável em nível estadual e nacional, além de contribuir para a atração de investimentos, empresas, geração de empregos e renda, bem como desenvolvimento tecnológico e industrial.