Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Os reservatórios do Sudeste/ Centro-Oeste devem terminar o mês de outubro com volume de 66,5%, de acordo com dados do primeiro Informe do Programa Mensal de Operação do período. Nos demais submercados, o menor nível deve ficar com a região Norte, com armazenamento de 57,6%, seguido pelo Nordeste, com 61,3%. Os níveis no Sul tem a melhor situação, com armazenamento de 95,8%.

Os valores mostram que a região Norte verá os seus níveis recuarem com mais intensidade, está com  72,4%, ou seja, recuo previsto de 14,8 pontos percentuais. No Sudeste e Nordeste, haverá uma redução de cerca de 5 p.p nos volumes dos dois subsistemas, enquanto a região Sul é a única que perceberá melhora da capacidade, saltando mais de 5 p.p ante o volume que inicia outubro.

A previsão mensal de Energia Natural Afluente para o Sudeste/ Centro-Oeste é de 18.007 MW med, o mesmo que 76% da média de longo termo. No Sul, a ENA esperada está acima da média, com 24.939 MW med, correspondente a 188% da MLT. Já no Nordeste, a expectativa de ENA é de 1.598 MW med, equivalente a 50% da MLT, enquanto no subsistema Norte, a ENA deve chegar a 1.403 MW , que corresponde a 59% da MLT.

Assim como divulgado no primeiro dia de reunião do PMO, a  carga no Sistema interligado Nacional deve terminar o mês de outubro com variação de 6,2%, o mesmo valor esperado para o Sudeste/ Centro-Oeste. No Sul, a expectativa da carga ao fim do mês é de 7,3%, enquanto no Nordeste, de 3%. Na região Norte, a carga deve variar 10,6%.

A média semanal do Custo Marginal de Operação segue zerada para todos os patamares de carga e todos os submercados.