Olá, esse é um conteúdo exclusivo destinado aos nossos assinantes
Para continuar tendo acesso a todos os nossos conteúdos, escolha um dos nossos planos e assine!
Redação
de R$ 47,60
R$
21
,90
Mensais
Notícias abertas CanalEnergia
Newsletter Volts
Notícias fechadas CanalEnergia
Podcast CanalEnergia
Reportagens especiais
Artigos de especialistas
+ Acesso a 5 conteúdos exclusivos do plano PROFISSIONAL por mês
Profissional
R$
82
,70
Mensais
Acesso ILIMITADO a todo conteúdo do CANALENERGIA
Jornalismo, serviço e monitoramento de informações para profissionais exigentes!

Alessandra Amaral foi eleita nova diretora executiva da Associação de Distribuidores de Energia Elétrica da América Latina. A executiva possui mais de 30 anos de experiência em mineração, serviços públicos e bens de consumo.

Alessandra, durante os últimos 20 anos, se desenvolveu no setor de energia, sendo responsável pela direção de unidades de negócios de geração e comercialização de energia elétrica. No setor de distribuição, foi responsável pelo planejamento de mercado e compra de energia na Energisa e Light, onde seu último cargo foi vice-presidente de geração, marketing, novos negócios e assuntos regulatórios. A executiva também ocupou diversos espaços institucionais em organizações como Abraceel, Abradee, Apine, ONS e Norte Energia.

O papel do segmento de distribuição e os desafios

No Side Event “O papel das distribuidoras de energia elétrica para impulsionar a transição energética na América Latina”, durante a VIII Semana da Energia, organizada pela Olade, em Montevidéu, Uruguai, a nova diretora executiva da Adelat, apresentou questões essenciais para repensar os papéis atuais do segmento de distribuição e os macro desafios aos quais é necessário dar uma resposta para avançar em direção às metas de redução de emissões para os próximos anos.

Alessandra Amaral, nova diretora executiva da Adelat

Amaral mencionou a inovação tecnológica como um ponto chave, pois segundo ela, a tecnologia muda o nosso comportamento da mesma forma que o nosso comportamento muda a tecnologia, é um círculo virtuoso que se retroalimenta. Ela ainda enfatizou na transição de um consumidor “passivo e unidirecional” para um “capacitado, digitalizado, e muito exigente com o serviço de fornecimento de energia elétrica em termos de preço e qualidade, passando de consumidor a prosumidor”.