A Neoenergia Coelba lançou nesta quarta-feira, 17 de abril de 2024, o que classificou como o maior plano de investimentos da sua história. Até 2027, a distribuidora se propôs aportar R$ 13,3 bilhões, recursos que serão destinados à realização de obras de expansão e reforço do sistema elétrico da Bahia, em todas as regiões do estado. O incremento deste investimento é de 40% em relação ao quadriênio anterior com R$ 9,6 bilhões. Somente em 2024 serão R$ 3 bilhões.

Para o próximo quadriênio, a distribuidora irá construir ou expandir 71 subestações e mais de 4,3 mil quilômetros de rede de alta e média tensão. Com isso, diz a empresa, haverá a ampliação de mais de 20% da disponibilidade energética na Bahia para a realização de mais de um milhão de ligações no estado.

A companhia afirma que além da atenção focada nas demandas dos setores econômicos, a execução de obras com impacto social (como escolas, creches, hospitais e comunidades menos favorecidas) também é uma das prioridades da Neoenergia Coelba. Somente com a nova etapa do Programa Luz para Todos, do Governo Federal, a distribuidora pretende realizar a ligação de mais de 30 mil unidades em comunidades isoladas e sem acesso à eletricidade. Serão mais de R$ 777 milhões investidos em obras para atender estas localidades.

A perspectiva é de que mais de 8.800 empregos sejam gerados para a execução dos serviços em todo esse plano de investimentos. Parte dessas contratações acontecerá por meio da Escola de Eletricistas, iniciativa da Neoenergia Coelba. Desde o seu início, em 2007, 300 mulheres foram formadas e estão aptas a atuar com a eletricidade na Bahia.

Regionalização
De acordo com a Coelba, o plano estratégico foi estruturado com base em estudos e projeções acerca das necessidades energéticas atuais e futuras do estado. A concessionária segmentou os investimentos de acordo com as regiões da Bahia e direcionando as obras conforme as necessidades específicas de cada localidade.

No Extremo Oeste Baiano, por exemplo, a distribuidora concentrará esforços para aumentar a oferta de energia e acompanhar a expansão exponencial do agronegócio. Na região do Vale do São Francisco, o planejamento prioritário é a extensão da rede elétrica para atender a novos consumidores e levar energia a comunidades isoladas.

No Sul da Bahia, o turismo vai ser beneficiado com obras de reforço da rede elétrica para expandir a infraestrutura que dá suporte ao setor econômico. As áreas pertencentes aos povos originários da região também serão foco prioritário da empresa, com a ligação de energia em conformidade com as determinações ambientais e de acesso às reservas. Em toda a região metropolitana de Salvador, o sistema elétrico passará por melhorias para entregar energia com maior confiabilidade aos moradores locais.

No Centro Norte e Centro Sul, além do Nordeste da Bahia, o planejamento realizado apontou a necessidade do desenvolvimento industrial e agropecuário das regiões. Obras de expansão e reforço da rede elétrica serão desenvolvidas pelos profissionais da distribuidora visando fortalecer o sistema que atende os principais polos das localidades.

A Neoenergia Coelba é a terceira maior distribuidora de energia elétrica do país em número de clientes e a sexta em volume de energia fornecida, sendo a maior do Norte-Nordeste. Presente em 415 dos 417 municípios baianos, a Neoenergia Coelba tem uma área de concessão de 563 mil quilômetros quadrados, com mais de 6 milhões de clientes.

No geral, a Neoenergia controla cinco distribuidoras que atendem a cerca de 16,4 milhões de clientes, o equivalente a uma população superior a 37 milhões de pessoas.

Brasília
Um dia antes, a mais recente distribuidora do grupo, a Neoenergia Brasília apontou que a previsão de investimentos na área de concessão é de R$ 1,4 bilhão. Esse valor será aplicado em expansão, modernização e infraestrutura da rede elétrica do Distrito Federal nos próximos cinco anos. Ou seja, uma média R$ 280 milhões.

A companhia fez um balanço dos avanços obtidos desde que assumiu a distribuição de energia na capital federal, em março de 2021. Segundo a companhia, controlada pela Iberdrola, em três anos, foram aportados mais de R$ 825 milhões no sistema elétrico local, reduzindo em mais de 35% a falta de energia em toda a capital federal. E apontou nesse balanço que houve redução de 37% na quantidade de interrupções da energia e de 24% na redução do tempo das interrupções, em comparação ao mesmo período.

*O repórter viajou a convite da Neoenergia