A Emae informou em comunicado publicado nesta sexta-feira, 19 de abril, que a secretaria estadual de Parcerias em Investimentos (SPI) confirmou a participação de três empresas habilitadas ao leilão da companhia. Disputarão o leilão a EDF Brasil Holding S.A., Phoenix Fundo de Investimentos em Participações Multiestratégia e Matrix Energy Participações S.A. A sessão pública de abertura de envelopes ocorrerá nesta sexta-feira, 19 de abril na sede da B3, às 14h.

O valor mínimo para a venda é de R$ 776,9 milhões pelas 14,7 milhões de ações que estão sendo colocadas ao mercado. Um valor unitário de R$ 52,85 por ação.

De acordo com o governo do estado de São Paulo, até o fim de 2023, a Emae gerou receita líquida de R$ 603 milhões. Além disso, a empresa atingiu um valor de mercado de R$ 2,3 bilhões. De economia mista, ela tem sua composição acionária dividida entre o Governo do Estado, a Companhia Metropolitana de São Paulo, a Eletrobras e uma parcela minoritária com outros acionistas.

As usinas operadas por ela geraram no ano passado 1.663 GWh, o suficiente para abastecer média de 825 mil residências na Grande São Paulo. Ao todo, são quatro usinas hidrelétricas, oito barragens e duas usinas elevatórias. Elas estão localizadas em São Paulo, Salto, Cubatão e Pirapora do Bom Jesus. A maior das usinas é a Henry Borden com 889 MW de capacidade instalada e queda de água de 720 metros.

Segundo o governo, a empresa possui um papel essencial no controle de cheias no Estado de São Paulo. A Emae regula os níveis dos rios Pinheiros e Tietê, ajuda a prevenir o alagamento nas margens em épocas de chuva. Para isso, é feito o bombeamento das águas do rio para o Reservatório Billings.

Além disso, há um trabalho permanente de desassoreamento e de remoção de lixo do rio Pinheiros. Reduzir a quantidade de resíduos melhora o escoamento da água. O acúmulo de lixo também prejudica a operação do canal, porque obstrui o sistema de bombeamento das usinas elevatórias.

Outra atividade é a travessia por meio de balsa. A empresa transporta diariamente, 24 horas por dia, pessoas e veículos nas travessias Bororé, Taquacetuba e João Basso. Mensalmente, o serviço realiza uma média de 14 mil viagens e transporta gratuitamente 161 mil passageiros e 158 mil veículos.

Veja como foi o leilão: