A possibilidade da inclusão do sistema de armazenamento de energia em baterias no leilão de reserva de capacidade tem sido discutida nos últimos tempos pelo mercado, uma vez que a indústria de baterias vem crescendo e os preços caindo, inclusive nos últimos 15 anos a redução chega a 90%. E diante deste cenário, a WEG afirmou que está acompanhando de perto o debate.

“Para o BESS, a gente ainda não vê uma demanda estruturada acontecendo no Brasil. Basicamente o que tem acontecido agora são alguns projetos de P&D e demandas bem pontuais e obviamente esse tema vem sendo endereçado e o armazenamento entrando através de um leilão poderia ser um start para uma demanda mais estrutural. Então vamos acompanhar e ver como é que vai ser a evolução, mas eventualmente pode ser algo positivo sim para o desenvolvimento do mercado como um todo”, disse o diretor de finanças e RI, André Menegueti Salgueiro.

Ele ainda afirmou durante teleconferência com investidores realizada nesta sexta-feira, 03 de maio, que se o sistema de armazenamento de energia em baterias entrar no leilão de reserva de capacidade será algo positivo para o desenvolvimento do mercado e até para a demanda desse tipo de equipamento aqui no Brasil.

“É preciso acompanhar essa evolução e a WEG já se posicionou como uma provedora de sistemas de armazenamento há algum tempo através da compra dessa tecnologia de uma empresa americana alguns anos atrás. Então hoje a gente já tem essa tecnologia dentro de casa e já estamos produzindo esses sistemas de armazenamento e também estamos produzindo packs de baterias para ônibus elétricos. Com isso, a gente já vem desenvolvendo esse negócio”, ressaltou.