Após apresentar uma queda de 17% em seu lucro líquido consolidado no primeiro trimestre de 2024, chegando a R$ 1,2 bilhão, a Cemig anunciou que seguirá com o objetivo de concentrar as suas atividades em seu core business. “Estamos realizando desinvestimento em algumas participações minoritárias e investindo nos negócios que são os principais da companhia”, disse o presidente da Cemig, Reynaldo Passanezi Filho.

Durante teleconferência com investidores realizada nesta terça-feira, 14 de maio, o executivo afirmou que após concluir a transação de alienação de participação na Aliança Energia, que gerou em torno de R$ 2,7 bilhões, a companhia segue de olho em um novo leilão de PCHs, que deverá ocorrer em 03 de julho, para a alienação de quatro pequenas usinas hidrelétricas. “Diante deste cenário, seguimos trabalhando no sentido de desinvestimento das participações minoritárias da Cemig e dos ativos que não são estratégicos para a gente efetivamente e vamos focar nos ativos estratégicos da companhia em distribuição, geração e transmissão em Minas”, ressaltou. O valor mínimo para a arrematação dessas usinas será de R$ 29 milhões.

Com relação a alienação de participação direta de 45% do capital social da Aliança Energia, o vice-presidente de finanças e de relações com investidores, Leonardo George de Magalhães, espera que o closing seja concluído no 4º trimestre de 2024 (outubro/novembro), mas a companhia vem fazendo esforços para finalizar antes desse prazo. Ele destacou que entre os benefícios adicionais esta um valor adicional de 45% das indenizações futuras a serem recebidas pela Aliança relativo à usina de Candonga, estimado em R$ 223 milhões. E o negócio será feito na modalidade porteira fechada, porém eles seguem aguardando a aprovação dos órgãos competentes.

Reynaldo Passanezi Filho também citou durante a teleconferência que a companhia está com um planejamento de investimentos para 2024 em torno de R$ 6,2 bilhões, sendo R$ 4,4 bilhões para distribuição, R$ 573 milhões para geração, R$ 334 para transmissão, R$ 372 milhões para gás e R$ 506 milhões para geração distribuída. Vale lembrar que em 2023, a companhia realizou R$ 4,8 bilhões em investimentos.

“Isso é quase seis vezes o que foi o investimento no ano de 2018, estamos falando de 600% de crescimento em investimentos, um resultado muito concreto. Agora no mês de junho, nós vamos entregar 100ª subestação construída dentro do programa Mais Energia. E o nosso plano é crescer 50% e entregar mais de 200 subestações”, destacou o presidente da companhia. Ele ainda afirmou que serão R$ 35 bilhões de investimentos até 2028.

Quando questionado sobre a alavancagem da companhia, Magalhães declarou que a companhia possui uma alavancagem próximo a 2,5x o seu ebitda. “Entendemos que a nossa alavancagem ainda é confortável e que mantém a qualidade de crédito. Ao mesmo tempo permite a companhia eventualmente de participar de alguma oportunidade de negócio de investimento ou algum M&A, sem reduzir a sua qualidade de crédito. A nossa alavancagem é uma rampa e nós temos muito investimento para fazer nos próximos anos e essa alavancagem deve chegar em 2027 próxima a esses 2,5x. Entendemos que é confortável e mais eficiente financeiramente”, disse.

Com relação a política de dividendos, o executivo afirmou que a companhia pretende continuar da mesma forma, pois entendem que estar em diversos negócios cria uma estabilidade de resultados para a companhia. E a Cemig continuará com a divulgação trimestral de juros sobre capital próprio, que, segundo o executivo, essa prática adotada nos últimos anos é eficiente e cria valor para os acionistas.

Sobre uma possível privatização, Magalhães ressaltou que essa não é uma agenda da companhia e sim do acionista controlador, o governo do estado de Minas Gerais. “Nós temos um plano de investir em um planejamento estratégico que foi aprovado e entendemos que independentemente de como essas questões são conduzidas, nós temos esse planejamento para ser executado, sem deixar que essas questões externas, que não são agenda da companhia venham a atrapalhar a execução desse programa”, finalizou.