Reestruturação da Petrobras atinge área de Gás Natural e Energia

Nova diretoria de Refino e Gás Natural quer aumentar rentabilidade e promover mais sinergia. Custos devem cair R$ 1,8 bilhão

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira, 28 de janeiro, que vai promover uma reestruturação na sua diretoria, aprovada em reunião do Conselho de Administração. De acordo com a empresa, o objetivo é torná-la mais competitiva em virtude da nova realidade da indústria de óleo e gás e do seu plano de negócios. A reestruturação envolve a redistribuição de atividades, fusões e a revisão do modelo decisório. A redução de custos estimada com as mudanças deve chegar a R$ 1,8 bilhão. Também está prevista redução de pelo menos 30% no número de funções gerenciais em áreas não operacionais.

A primeira fase da reestruturação resultará na redução de 14 funções na alta administração. O número de diretorias cairá de sete para seis com a junção das diretorias de Abastecimento e Gás e Energia. Já o total de funções gerenciais ligadas diretamente ao Conselho de Administração, ao presidente e aos diretores será reduzido de 54 para 41. A segunda fase, prevista para fevereiro, abrangerá as demais funções do corpo gerencial. As nomeações e a alocação de equipes ocorrerão a partir de março.

Serão criados seis Comitês Técnicos Estatutários compostos por gerentes executivos que terão a função de analisar previamente e emitir recomendações sobre os temas que serão deliberados pelos diretores, que serão corresponsáveis nos processos decisórios. Por seu caráter estatutário, os atos dos comitês estarão sujeitos à fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários.

Para aumentar a rentabilidade dos negócios, o novo modelo promove a fusão de áreas para melhor aproveitamento das sinergias entre elas. Desta forma, Abastecimento e Gás & Energia passarão a compor a Diretoria de Refino e Gás Natural. A execução dos projetos de investimento será centralizada na nova Diretoria de Desenvolvimento da Produção & Tecnologia. Essa nova estrutura concentrará a gestão e as competências técnicas de implantação de empreendimentos.

As contratações para projetos de investimentos envolverão, como regra, três diretorias: a diretoria demandante, que concebe o projeto técnico básico; a DP&T, que desenvolve o projeto; e a Diretoria de RH, SMS e Serviços, que licita e contrata bens e serviços. O redesenho do processo de contratação de projetos e serviços evita a concentração excessiva no processo decisório.

A Diretoria de Exploração e Produção será organizada por classes de ativos, com a criação de estruturas para Águas Profundas, Águas Ultraprofundas, Terrestre e Águas Rasas, possibilitando melhor gestão do valor agregado pelos ativos e otimização da produção de óleo e gás.