Cemig vai implantar central de cogeração para fábrica de alimentos

Quando estiver plenamente implantado, projeto trará economia de 35% a 40% na conta da Bem Brasil

A Cemig, junto com sua subsidiária Efficientia, assinou nesta quarta-feira, 20 de janeiro, um contrato de desempenho com a Bem Brasil Alimentos para a implantação de uma central de cogeração de energia elétrica a vapor, à biomassa, na unidade de Perdizes, no triângulo mineiro. O projeto conta com investimentos de R$ 30 milhões e os recursos são provenientes do Programa de Eficiência Energética da companhia.

O início da operação da central está previsto para setembro deste ano e, quando o projeto estiver plenamente implantado, no prazo de 18 meses, estima-se uma economia de 35% a 40% na conta de energia elétrica da Bem Brasil, valor que será usado para reembolso à concessionária pelo investimento no projeto. "Esse é um dos maiores projetos da nossa carteira", ressalta Alexandre Heringer Lisboa, diretor-presidente da Efficientia.

O sistema de cogeração será instalado na planta industrial da unidade para produzir vapor para os processos produtivos e, ao mesmo tempo, gerar energia elétrica numa central de geração com capacidade nominal de 7,5 MWe. Segundo a Cemig, é estimada uma produção de eletricidade de 54.000 MWh/ano, atendendo mais da metade da demanda atual da unidade. O empreendimento também evitará a emissão de cerca de 7.200 toneladas de CO2 por ano.

Segundo o presidente da Bem Brasil, João Rocheto, sem o apoio da Efficientia o projeto não poderia entrar em operação ainda este ano. Mauro Borges, presidente da Cemig, ressaltou que a central vai gerar economia de energia para a Bem Brasil, contribuindo também para a redução da sobrecarga do Sistema Interligado Nacional. "Imagine se todas as grandes empresas puderem gerar parte da energia que consomem. Isso traria grandes benefícios para todo o sistema elétrico, principalmente nestes tempos de crise hídrica que estamos vivendo", avaliou.