Gree lança no Brasil ar condicionado com paineis fotovoltaico

Aparelhos são destinados a grandes consumidores como hospitais, shoppings e indústrias e permitem microgeração

A fabricante chinesa de aparelhos de ar condicionado Gree lançou no Brasil nesta quinta-feira, 21 de maio, uma linha de ar condicionados fotovoltaicos. Os aparelhos são destinados a suprir o consumo de grandes consumidores de energia, como centro comerciais, hospitais, shoppings, frigoríficos e indústria. Os aparelhos permitem a microgeração de energia. As tecnologias das placas dos equipamentos fazem com que se zere o custo com consumo de energia do ar condicionado. A CEO da empresa, Dong Mingzhu, percebeu um grande potencial desse tipo de equipamento no Brasil, devido ao seu potencial fotovoltaico. "O desenvolvimento de energia solar é uma nova forma de conforto no mundo. Estamos trazendo nossa melhor tecnologia para o Brasil", afirmou.

A linha Inverter possui dois modelos. O Chiler Centrifugal Direct Driven pode ser 100% operado por geração fotovoltaica e tem módulos de ação que permitem aplicação parcial de energia da rede. Na comparação com um sistema tradicional de refrigeração conectado à rede, o ganho com eficiência chega até 8%. O outro modelo da linha é o Sistema Multi VR Inverter. Ele usa uma tecnologia exclusiva da Gree para a conversão em tempo real do módulo fotovoltaico, sistema multi-split e a rede elétrica. Ele proporciona ganhos em eficiência energética de 5% a 7% e tem fator de potência de 99%, que é 10% maior que os sistemas de três fases usuais. O aparelho é capaz de reduzir perdas operacionais causadas por variações na rede.

De acordo com Paulo Xu, diretor de vendas para Ar Condicionado Central da Gree, ainda não foram fechados contratos, mas muitos clientes em potencial já mostraram interesse nos aparelhos, atraídos pela tecnologia usada, exclusiva da Gree. As placas do ar condicionado serão fornecidas pela também chinesa Yingli. A expectativa do executivo é vender até o fim do ano dez unidades, cujo potencial de geração varia devido ao fato das plantas de refrigeração serem customizadas. Sem revelar o preço médio dos equipamentos, Xu avalia que em até cinco anos ele poderá estar pago, pelos ganhos que proporciona.

O momento de tensão que o setor elétrico passa pode ser um aliado para a empresa fechar contratos. No início do ano, o ministro Eduardo Braga acenou que shoppings e outros grandes consumidores conectados na rede de distribuição saíssem da rede na hora da ponta para preservar o sistema. Para Xu, o momento é propício, mas ele alerta que não só o país, mas todo o mundo passa por algum tipo de crise energética que vai demandar esforços. "No Brasil, há um problema crítico com o abastecimento no verão", avisa.

Há ainda a consciência da empresa que o êxito em vendas do ar condicionado fotovoltaico pode se traduzir em um importante impulso para a fonte solar no país. Em 2014, foram fechados os primeiros contratos em leilão de energia do mercado regulado no país. Uma crescente demanda ajudaria a viabilizar a planta brasileira da Yingli, parceira da Gree no aparelho. A Gree possui seis laboratórios oito mil engenheiros e mais de 14 mil patentes.

Os primeiros equipamentos serão importados, mas o diretor da Gree avisa que em caso de crescimento da demanda, ele poderá ser fabricado na planta que a empresa possui desde 2001 no país, localizada na Zona Franca de Manaus (AM). A fábrica tem capacidade para 300 mil unidades e emprega 500 trabalhadores. A empresa está presente em vários países do mundo e é a maior produtora de ar condicionado para uso industrial e residencial. Além do Brasil, ela possui três fábricas na China, uma no Vietnã e outra no Paquistão. De acordo com a empresa, a cada três ar condicionados produzidos no mundo, um é da Gree.