MME determina operação das usinas Jaguara e Miranda pela Cemig até o leilão

Estatal terá de garantir a continuidade da prestação do serviço das hidrelétricas de 424 MW e 408 MW de capacidade

O Ministério de Minas e Energia determinou nesta quinta-feira (27) que a Cemig GT permaneça como responsável pela operação e pela qualidade dos serviços de duas das quatro usinas que serão relicitadas no segundo semestre deste ano pelo governo federal. Por meio de despachos publicados no Diário Oficial da União, a estatal mineira terá de garantir a continuidade da prestação do serviço das hidrelétricas Jaguara (424 MW) e Miranda (408 MW), mantendo ou melhorando os índices técnicos de operação ou valores considerados nas revisões da garantia física e de potência das usinas.

De acordo com as portarias, os custos anuais da Gestão dos Ativos de Geração – GAG das hidrelétricas Jaguara e Miranda totalizam respectivamente R$ 36,6 milhões e R$ 29,6 milhões, a preços de março de 2017 e novembro de 2016. Os valores serão utilizados para a definição das Receitas Anuais de Geração – RAG inicial das referidas usinas. O MME definiu no início deste mês a data de 30 de setembro como limite para realização do leilão de concessão das usinas da Cemig, que envolverá ainda as UHEs São Simão (1.710 MW), Volta Grande (380 MW) e a PCH Agro Trafo (14,04 MW).