ONS: volume de vazões no Sudeste aumenta para 105% da média histórica

Previsão é de crescimento menor para a carga ante o que estava projetado no PMO para o mês de janeiro

A previsão de energia natural afluente para os dois maiores submercados do país apresentou uma significativa elevação quando comparada à projeção da semana anterior. Segundo dados da primeira revisão semanal do Programa Mensal de Operação para o mês de janeiro, no Sudeste/Centro Oeste a nova estimativa é de que as vazões alcancem 105% da média de longo termo ante previsão anterior de 95%. Já no Sul a elevação foi de 124% para 139% da média histórica. Nas duas outras regiões os índices recuaram. No Nordeste de 50% para 42% da média e no Norte de 89% para 84% da MLT no período.

Já a projeção de carga recuou, agora a estimativa é de um crescimento de 1,2% ante os 1,9% esperados na versão anterior do documento. Segundo o ONS é esperado um aumento do consumo menos intenso em quase todo o país. A exceção é o Nordeste que teve sua projeção de carga elevada de 0,6% para 1,6% na comparação com o mesmo mês do ano passado. No SE/CO recuou de 1,4% para 0,7%, no Sul de 2,5% para 0,3% e no Norte de 7,4% para 7%.

A previsão de armazenamento nos reservatórios do SIN para o final de janeiro acompanha o desempenho das ENA nos submercados. No SE/CO aumentou de 34,5% para 35,9%, no Sul de 53,7% para 60,8%, no NE recuou de 21,3% para 19,6% e no Norte de 32,2% para 30,3%.

Como consequência, o Custo Marginal de Operação Médio recuou na comparação com a semana operativa que se encerra nesta sexta-feira, 5 de janeiro. O valor está 10,4% menor  no SE/CO,  12,1% no Sul, 3% no NE e 8% no Norte. Assim como na semana passada os valores estão diferentes por submercados. No SE/CO está em R$ 162,59 nos patamares Pesado e Médio e R$ 155,72 no leve. No Sul é de R$ 160,41 e de R$ 158,46, enquanto no NE estão em R$ 178,48 e R$ 157,82 e no Norte em R$ 152,34 e R$ 145,91/MWh.

O despacho térmico na semana aumentou. O volume previsto é de 7.930 MW médios em todo o  SIN, aumento de 3,1%. Do montante total, 3.335 MW médios estão dentro da ordem de mérito, 4.102 MW médios por inflexibilidade e 493 MW médios por restrição elétrica, item que na semana anterior estava em 2267 MW médios.  Não há comando de importação de energia nessa semana operativa.