Fitch afirma rating da primeira emissão de debêntures da Epesa

Afirmação do rating reflete o baixo risco operacional da empresa

A agência de classificação de risco Fitch afirmou o rating nacional de longo prazo ‘AA (bra)’ da primeira emissão de debêntures da Centrais Elétricas de Pernambuco (Epesa), no montante de R$ 171 milhões, com perspectiva estável.

Segundo agência, em nota divulgada na última quarta-feira, 20 de fevereiro, a afirmação do rating reflete o baixo risco operacional da empresa, decorrente da existência de uma equipe própria, capaz de constantemente manter e operar as usinas de forma eficiente, resultando em altos índices de disponibilidade. Também considera o contrato de longo prazo de fornecimento de combustível com uma contraparte forte, a Petrobras Distribuidora e um fluxo de receitas totalmente garantido por contratos de compra de energia padronizados com distribuidoras de energia elétrica.

A Epesa é uma sociedade anônima de capital fechado, controlada pela Ebrasil (Eletricidade do Brasil (95%) e OZ&M Incorporação e Participação (5%)), e foi criada para desenvolver, implementar e operar as termelétricas Termomanaus e Pau Ferro I, que têm capacidade instalada de 143,04 MW e 94,08 MW, respectivamente. Ambas estão localizadas em Igarassu (PE) e conectadas à subestação Pau Ferro, da Chesf, por meio de uma linha de transmissão de 300 metros e 230 kV.

As usinas foram planejadas para operar como reserva e complementarmente à geração do sistema em caso de hidrologia abaixo do esperado. Seus custos variáveis de despacho estão entre os mais elevados do Sistema Interligado Nacional (SIN) e correspondem, atualmente, a R$ 838,6/MWh. O diesel é o principal combustível destas termelétricas, que utilizam o biodiesel como alternativa.

As debêntures são garantidas pela alienação fiduciária das ações do emissor; pelo penhor de direitos emergentes da autorização; pela alienação fiduciária dos equipamentos de Termomanaus e Pau Ferro I; pela cessão e vinculação de receita fixa e variável (líquida da receita variável comprometida em benefício do fornecedor de combustível); e por hipoteca de segundo grau sobre o imóvel onde estão localizadas as usinas.