Fitch atribui grau de investimento à proposta de emissão de debêntures da Enel CE

Distribuidora do Ceará estuda captar R$ 650 milhões; recursos serão utilizados no alongamento de dívidas relacionadas ao projeto de investimento da concessionária

A agência de classificação de risco Fitch atribui grau de investimento à sétima proposta de emissão de debêntures da Enel Distribuição Ceará. A distribuidora pretende captar R$ 650 milhões em títulos de dívida, com vencimento em 2023, primeira série, e em 2024, para segunda série. Os recursos serão destinados ao alongamento do perfil de endividamento relacionado a projetos de investimentos da emissora.

Segundo a Fitch, o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’, com perspectiva estável, reflete a qualidade de crédito da Enel Américas. A análise também contempla o robusto perfil financeiro consolidado da Enel Brasil e sua forte posição de negócios, que a posiciona entre os maiores grupos privados do setor elétrico brasileiro. A avaliação incorpora, ainda, a expectativa de que o grupo Enel Brasil conseguirá administrar seu Fluxo de Caixa Livre (FCF) negativo até 2020, pela adequada posição de liquidez, considerável acesso a linhas de longo prazo e suporte do controlador. A avaliação também considera o moderado risco regulatório do setor elétrico brasileiro e o risco hidrológico, atualmente acima da média histórica, porém gerenciável e com efeito limitado sobre o rating da companhia”, diz o relatório divulgado pela Fitch na última quarta-feira, 20 de fevereiro.

A perspectiva estável, continua a Fitch, se baseia na expectativa de aumentos no consumo de energia e revisões tarifárias favoráveis, que devem impulsionar ganhos de rentabilidade e de geração de caixa operacional para a Enel Brasil ao longo dos próximos anos. Também incorpora um contínuo suporte financeiro do controlador, e o cenário de alavancagem líquida consolidada em patamares conservadores, inferior a 3,0 vezes de 2019 a 2021. A Fitch também sensibilizou a alavancagem considerando o cenário de emissão de uma nova dívida, no âmbito da Enel Brasil, para pagamento do mútuo constituído para liquidação do empréstimo-ponte que financiou a aquisição da Eletropaulo. Neste cenário, há aumento da alavancagem para a faixa de 3,0 vezes a 3,5 vezes, o qual não afeta a perspectiva do rating.