RGE avança com obras para nova rede elétrica em Nova Prata

Companhia investiu R$ 2,3 milhões para alimentador de 4 Km, que irá beneficiar dois municípios e quase 4 mil clientes. Nova rede terá postes autoaterrados

A RGE está construindo uma nova rede elétrica que atenderá cinco bairros de Nova Prata e o município de Protásio Alves, no Rio Grande do Sul. O alimentador de média tensão terá 4 mil metros de extensão e beneficiará, diretamente, 3.900 clientes. Segundo a concessionária, o investimento nesta ação é de R$ 2,3 milhões e cerca de 1/3 da obra já está concluída. A previsão é de que até o final deste ano os trabalhos estejam finalizados e todas as cargas da rede ligadas.

O novo alimentador atenderá clientes dos bairros Centro, Industrial, São Cristóvão, Santa Cruz e Vila Lenzi, em Nova Prata, e todo o município de Protásio Alves, que passará a contar com uma segunda fonte de alimentação. A rede está sendo construída no modelo compacto, com espaçadores entre os cabos, o que diminui a possibilidade de contato entre os condutores, principalmente em dias de vento, reduzindo as chances de interrupção no fornecimento de energia.

A distribuidora do Grupo CPFL ainda está instalando dez religadores automáticos na região. Esses equipamentos são operados à distância, pelo Centro de Operações da RGE, e permitem que a energia seja restabelecida num curto de espaço de tempo quando o desarme ocorrer sem danos físicos na rede. Os religadores também possibilitam as manobras de carga em caso de desligamentos emergenciais ou programados.

Segundo o Consultor de Negócios da RGE, Umberto Ossig Santana, a iniciativa irá reforçar de maneira significativa o sistema de distribuição de energia das regiões. “Trata-se de uma rede totalmente nova e feita com o que há de mais tecnológico no setor elétrico, parte do nosso Plano de Manutenção e Expansão e que contribui também para o desenvolvimento da região”, comenta Santana.

A nova rede será composta por postes autoaterrados, uma nova tecnologia que adiciona componentes de maior condutividade elétrica ao concreto utilizado na base do poste, eliminando a necessidade das hastes. Um dos principais benefícios é a redução da queima de equipamentos da rede principalmente em dias de temporal, além de que transformadores, reguladores de tensão e religadores automáticos estarão mais protegidos.