Eletrobras com boa expectativa para reta final do PDC

Empresa quer chegar em maio do ano que vem com cerca de 12 mil funcionários. Desligamento de terceirizados em Furnas vai economizar R$ 280 milhões

A Eletrobras espera alcançar bons resultados com o Plano de Demissão Consensual que está aberto. Em teleconferência com analistas de mercado realizada nesta terça-feira, 12 de novembro, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Junior, revelou que ele se encerra no fim dessa semana e que cerca de 454 já aderiram e outros 547 estão em processo de adesão. “Esses processos de adesão de PDVs ocorrem fortemente nos últimos dois dias. Estamos bastante otimistas”, afirma

Ainda de acordo com o executivo, a Eletrobras tinha em torno de 26 mil empregados em 2016 e hoje tem 13.700. A meta é chegar em maio de 2020 com 12.080 funcionários. Com os planos de demissão, já saíram quase cinco mil funcionários da estatal. O desligamento de terceirizados de Furnas, outra frente de redução de pessoal, deve levar a rescisão de 1.041 pessoas, com uma economia estimada de R$ 280 milhões e de R$ 437 milhões em custos. Ferreira Junior promete para o ano que vem novos PDCs, já que classifica o processo como dinâmico. “Eficiência é um alvo móvel, estamos sempre à procura de mais”, avisa.

A meta de redução desse PDC que termina em 2019 é de 1.332 pessoas. No ano que vem, a intenção é que saiam mais 443 até maio. Esse será o último PDC do ano. O presidente da Eletrobras lembrou ainda das modernizações nos sistemas de ERP das empresas do grupo, que foram idealizadas para que a empresa operasse com menos empregados.

O PDC da Eletrobras oferece entre outros benefícios, um prêmio de 50% sobre a multa do FGTS, além de outro bônus de 50% sobre o aviso prévio. Mesmo após a privatização, cerca de dois mil funcionários continuarão sob controle estatal, já que Eletronuclear, Itaipu Binacional  e o Procel são obrigados a continuarem com o governo.