Vestas conclui primeiro projeto com turbinas gigantes na América Latina

Parque eólico da Echoenergia está localizado no Rio Grande do Norte e deve gerar mais de 1,4 GWh por ano

A fabricante de turbinas eólicas Vestas anunciou nesta terça-feira, 18 de agosto, a conclusão do primeiro projeto da América Latina equipado com a máquina V150-4.2 MW, localizado no município de Serra do Mel, no Rio Grande do Norte.

No total, o empreendimento da Echoenergia possui 65 unidades destas turbinas, as mais modernas e potentes já instaladas no Brasil, quebrando a barreira dos 4 MW no país. Produzidas na fábrica da Vestas, em Aquiraz, no Ceará, sob as regras do FINAME II, as turbinas utilizam torres de aço e pás de 73,7 metros de comprimento.

“A conclusão do primeiro projeto com V150-4.2 MW da América Latina é mais um exemplo do nosso pioneirismo no mercado eólico e reforça nossa intenção de liderar a transição para um mundo totalmente abastecido por energias sustentáveis. Além disso, mostra a nossa resiliência neste momento tão delicado, resultado da solidez de operações ao longo dos anos e do que aprendemos com nossas outras instalações ao redor do mundo. Com isso, elaboramos um planejamento que nos permitiu manter todos os compromissos com nossos clientes”, afirma Eric Gomes, diretor de Vendas da Vestas no Brasil, em nota à imprensa.

O pedido da Echoenergia, feito em 2018, foi o primeiro que a Vestas recebeu para este modelo. No total, os pedidos de V150-4.2 MW já recebidos irão adicionar mais de 2,6 GW à matriz energética brasileira.

“Ter as mais potentes turbinas do Brasil vai ao encontro de nossa ambição de sermos a maior e mais eficiente empresa de energia eólica do país. Estamos ansiosos para começarmos a explorar todo o seu potencial e orgulhosos por contribuirmos com o desenvolvimento do segmento de energia renovável no Brasil”, salienta Edgard Corrochano, presidente da Echoenergia, também em nota.

O parque eólico de 273 MW Echoenergia na Serra do Mel vai gerar mais de 1,4 GWh de energia ano, equivalente ao consumo residencial médio anual de 2,4 milhões pessoas. No mesmo período, as 65 turbinas irão contribuir para uma redução de emissões correspondente a 136 mil toneladas de CO2.